foto user
João Neves
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Outros/A memória das naus
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Outros/A memória das naus
voltar lista nav-leftnav-right

A memória das naus

fotografias > 

Outros

2012-07-30 07:48:39
comentários (0) galardões descrição exif favorita de (0)
descrição
Pelo Tejo Vai-se para o Mundo

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XX"
Heterónimo de Fernando Pessoa
exif / informação técnica
Máquina: Nikon Corporation
Modelo: NIKON D60
Exposição: 1/320
Abertura: f/5.6
ISO: 100
MeteringMode: Spot
Flash: Não
Dist. Focal: 200 mm
Dist. Focal 35mm: 300 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 4.0 (Windows)

favorita de 0
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões
A memória das naus
Pelo Tejo Vai-se para o Mundo

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XX"
Heterónimo de Fernando Pessoa
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Máquina: Nikon Corporation
Modelo: NIKON D60
Exposição: 1/320
Abertura: f/5.6
ISO: 100
MeteringMode: Spot
Flash: Não
Dist. Focal: 200 mm
Dist. Focal 35mm: 300 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 4.0 (Windows)


favorita de (0)