foto user
F Santos
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/Amanhã o sol nascerá de novo, mas . . .
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/Amanhã o sol nascerá de novo, mas . . .
voltar lista nav-leftnav-right

Amanhã o sol nascerá de novo, mas . . .

fotografias > 

História

2016-09-23 14:47:54
comentários (29) galardões descrição exif favorita de (107)
descrição
. . . hoje é o ultimo dia do meu plano silver. amanhã inicio uma nova participação no site no plano gratuito. Por minha decisão pessoal e com esta ultima partilha no plano silver saio também do Top Autores.

Formulo antecipadamente os meus parabéns aquele/a que no fim a comunidade entender que deve estar em 1º lugar no ranking comunidade . Quanto ao ranking editorial. não me pronuncio pois não tenho conhecimentos que o permitam e gostos são o que são. apenas gostos.

Este ultimo registo evoca um regresso ao passado, mais precisamente ao dia 22-02-2016 em que com um perfeito céu azul em Portugal ilustrei uma fabulosa fábula de Hans Christian Andersen:

A roupa nova do Rei . . .
. . . afinal talvez o Rei vá nú ! ! !

"Muitos anos atrás, havia um imperador que gostava de roupas bonitas, mais do que qualquer outra coisa no mundo. Na verdade, vestir-se ocupava todo o seu tempo... De qualquer forma, a vida era alegre na cidade. Estrangeiros chegavam a toda hora, e um dia, apareceu uma dupla de espertalhões. Bem, isso é o que eles eram, mas se diziam tecelões. Diziam também que o pano que teciam, além de uma beleza estonteante, tinha propriedades mágicas: tanto no tear como transformado em roupas, era invisível para quem não estivesse à altura de seu posto ou para os muito estúpidos. 'Excelente!', pensou o imperador. 'Eis a minha chance de descobrir quais dos meus súbditos não servem para os postos que ocupam, e poderei separar os espertos dos tolos. Sim! Esse pano tem que ser tecido e transformado em roupas imediatamente.' E deu aos impostores uma grande quantia em dinheiro para que pudessem começar o trabalho.

Na mesma hora os tratantes montaram o tear e agiram como se estivessem trabalhando com afinco. Mas, na realidade, não havia nada no tear...(e, assim, continuaram fingindo que trabalhavam, pedindo mais e mais dinheiro).

Passado um tempo, (o imperador mandou um súbdito - o primeiro-ministro -ver como andavam os trabalhos. Não foi ele próprio, por receio de não conseguir ver o tecido). 'Deus nos acuda!', pensou o velho. 'Não consigo enxergar pano algum.'... Mas não disse nada... 'Será que sou incapaz para ser ministro? Nunca me considerei incompetente... Não, não, não posso dizer que não consigo ver o pano.'... Pouco tempo depois, o imperador decidiu enviar um conselheiro honesto para verificar como estava indo o trabalho... Mas aconteceu com ele a mesma coisa que acontecera com o ministro... Então, ele admirou o tecido que não podia ver. - Sim, sim, muito lindo... cores esplêndidas... magnífico desenho - e relatou ao imperador que a estampa do tecido era 'magnífica!'

A notícia do maravilhoso tecido logo correu pela cidade. Finalmente, o imperador resolveu ir vê-lo com seus próprios olhos... 'Isso é terrível!', pensou o imperador. 'Não consigo enxergar nada nos teares! Serei estúpido?... E então, ele falou: 'Que tecido charmoso... lindo! Tem nossa total aprovação'... E o imperador deu a cada um dos trapaceiros uma condecoração honorária e o título de Oficial do Tear da Corte Imperial.

Na véspera da grande procissão, os farsantes ainda trabalhavam em sua tarefa imaginária: a confecção da roupa... Finalmente anunciaram: - A roupa está pronta! - E o imperador dirigiu-se aos aposentos... Os trapaceiros continuaram: -Se sua Alteza Imperial fizer a gentileza de tirar a roupa que está usando agora, teremos a honra de vesti-lo com o novo traje; pode ver o efeito neste grande espelho... O imperador virava-se de um lado e de outro em frente ao espelho. - Como está elegante! Como lhe cai bem! - murmuravam os cortesãos. - Que tecido rico! As cores são esplêndidas! Vocês já viram manto mais magnífico? - ninguém ousava admitir que não via nada...

E assim o imperador saiu andando majestosamente na procissão, debaixo do esplêndido dossel. As pessoas nas ruas ou nas janelas gritavam coisas como 'Essa roupa nova é maravilhosa!', 'Como ele está magnífico!', 'Que elegância!'. Pode imaginar? Ninguém ousava admitir que não conseguia ver roupa alguma. Isso significaria que essa pessoa era idiota, ou que não servia para seu posto. Na verdade, nenhum dos deslumbrantes trajes do imperador jamais havia sido tão elogiado. Então, num momento de silêncio, ouviu-se uma voz de criança, intrigada. - Ele não está vestindo nada! - Sshh! - disse o pai da criança. - Essas crianças falam cada bobagem!

Mas um sussurro espalhou-se pela multidão. 'Uma criança ali disse que o imperador está nu', 'O imperador está nu!' Logo todos murmuravam: - Ele está nu! Finalmente, o próprio imperador achou que eles poderiam estar certos. Mas aí pensou. 'Se eu parar agora, vou estragar a procissão e isso não pode acontecer'. Então ele continuou caminhando, mais altivamente que antes. Quanto aos cortesãos, continuaram carregando a cauda do manto que não existia."
exif / informação técnica
Sem informações de EXIF
favorita de 107
galardões
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
Amanhã o sol nascerá de novo, mas . . .
. . . hoje é o ultimo dia do meu plano silver. amanhã inicio uma nova participação no site no plano gratuito. Por minha decisão pessoal e com esta ultima partilha no plano silver saio também do Top Autores.

Formulo antecipadamente os meus parabéns aquele/a que no fim a comunidade entender que deve estar em 1º lugar no ranking comunidade . Quanto ao ranking editorial. não me pronuncio pois não tenho conhecimentos que o permitam e gostos são o que são. apenas gostos.

Este ultimo registo evoca um regresso ao passado, mais precisamente ao dia 22-02-2016 em que com um perfeito céu azul em Portugal ilustrei uma fabulosa fábula de Hans Christian Andersen:

A roupa nova do Rei . . .
. . . afinal talvez o Rei vá nú ! ! !

"Muitos anos atrás, havia um imperador que gostava de roupas bonitas, mais do que qualquer outra coisa no mundo. Na verdade, vestir-se ocupava todo o seu tempo... De qualquer forma, a vida era alegre na cidade. Estrangeiros chegavam a toda hora, e um dia, apareceu uma dupla de espertalhões. Bem, isso é o que eles eram, mas se diziam tecelões. Diziam também que o pano que teciam, além de uma beleza estonteante, tinha propriedades mágicas: tanto no tear como transformado em roupas, era invisível para quem não estivesse à altura de seu posto ou para os muito estúpidos. 'Excelente!', pensou o imperador. 'Eis a minha chance de descobrir quais dos meus súbditos não servem para os postos que ocupam, e poderei separar os espertos dos tolos. Sim! Esse pano tem que ser tecido e transformado em roupas imediatamente.' E deu aos impostores uma grande quantia em dinheiro para que pudessem começar o trabalho.

Na mesma hora os tratantes montaram o tear e agiram como se estivessem trabalhando com afinco. Mas, na realidade, não havia nada no tear...(e, assim, continuaram fingindo que trabalhavam, pedindo mais e mais dinheiro).

Passado um tempo, (o imperador mandou um súbdito - o primeiro-ministro -ver como andavam os trabalhos. Não foi ele próprio, por receio de não conseguir ver o tecido). 'Deus nos acuda!', pensou o velho. 'Não consigo enxergar pano algum.'... Mas não disse nada... 'Será que sou incapaz para ser ministro? Nunca me considerei incompetente... Não, não, não posso dizer que não consigo ver o pano.'... Pouco tempo depois, o imperador decidiu enviar um conselheiro honesto para verificar como estava indo o trabalho... Mas aconteceu com ele a mesma coisa que acontecera com o ministro... Então, ele admirou o tecido que não podia ver. - Sim, sim, muito lindo... cores esplêndidas... magnífico desenho - e relatou ao imperador que a estampa do tecido era 'magnífica!'

A notícia do maravilhoso tecido logo correu pela cidade. Finalmente, o imperador resolveu ir vê-lo com seus próprios olhos... 'Isso é terrível!', pensou o imperador. 'Não consigo enxergar nada nos teares! Serei estúpido?... E então, ele falou: 'Que tecido charmoso... lindo! Tem nossa total aprovação'... E o imperador deu a cada um dos trapaceiros uma condecoração honorária e o título de Oficial do Tear da Corte Imperial.

Na véspera da grande procissão, os farsantes ainda trabalhavam em sua tarefa imaginária: a confecção da roupa... Finalmente anunciaram: - A roupa está pronta! - E o imperador dirigiu-se aos aposentos... Os trapaceiros continuaram: -Se sua Alteza Imperial fizer a gentileza de tirar a roupa que está usando agora, teremos a honra de vesti-lo com o novo traje; pode ver o efeito neste grande espelho... O imperador virava-se de um lado e de outro em frente ao espelho. - Como está elegante! Como lhe cai bem! - murmuravam os cortesãos. - Que tecido rico! As cores são esplêndidas! Vocês já viram manto mais magnífico? - ninguém ousava admitir que não via nada...

E assim o imperador saiu andando majestosamente na procissão, debaixo do esplêndido dossel. As pessoas nas ruas ou nas janelas gritavam coisas como 'Essa roupa nova é maravilhosa!', 'Como ele está magnífico!', 'Que elegância!'. Pode imaginar? Ninguém ousava admitir que não conseguia ver roupa alguma. Isso significaria que essa pessoa era idiota, ou que não servia para seu posto. Na verdade, nenhum dos deslumbrantes trajes do imperador jamais havia sido tão elogiado. Então, num momento de silêncio, ouviu-se uma voz de criança, intrigada. - Ele não está vestindo nada! - Sshh! - disse o pai da criança. - Essas crianças falam cada bobagem!

Mas um sussurro espalhou-se pela multidão. 'Uma criança ali disse que o imperador está nu', 'O imperador está nu!' Logo todos murmuravam: - Ele está nu! Finalmente, o próprio imperador achou que eles poderiam estar certos. Mas aí pensou. 'Se eu parar agora, vou estragar a procissão e isso não pode acontecer'. Então ele continuou caminhando, mais altivamente que antes. Quanto aos cortesãos, continuaram carregando a cauda do manto que não existia."
Tag’s: fábula,história,silver,gratuito
comentários
galardões
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular

Sem informações de EXIF

favorita de (107)