foto user
JET ...
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Arte Digital/Awaken (IX– Papa Pingo I)
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Arte Digital/Awaken (IX– Papa Pingo I)
voltar lista nav-leftnav-right

Awaken (IX– Papa Pingo I)

fotografias > 

Arte Digital

2008-06-16 23:15:29
comentários (1324) galardões descrição exif favorita de (442)
descrição
*** AWAKEN – PAPA PINGO I *** INTRODUÇÃO

Já vimos nos capítulos anteriores as mudanças que o Anticristo provocou e a necessidade dum enviado divino à Terra. A MIR, que mal chegou perdeu a cabeça no Talho Simpatia, resolveu procurar o “Embaixador” no Vaticano, apresentar credenciais, ver o clima e pedir instruções. Que é que ela encontrou por lá?

Com a chegada do Anticristo tudo se inverteu. Na Antárctica o aquecimento global aumentou, o que levou a que os vários milhões de pinguins distribuídos por 18 espécies se mudassem para o pólo oposto, região Árctica, mais concretamente para a Gronelândia.
A Gronelândia é um país cuja economia depende quase em exclusivo da pesca, sendo a caça à foca o “desporto” preferido pelos seus habitantes. Com um produto interno bruto (PIB) dos mais frágeis da Europa (Portugal que é um “paraíso” tem 203,1, a Gronelândia 1,1 …), é por outro lado dos que têm menor densidade populacional no Mundo (0,03hab/km2).
No outro prato da balança encontra-se o Vaticano com 2093 hab/km2, com um PIB e contas oficiais não publicadas (!?!), mas cuja riqueza se estima superior a 15 biliões de dólares.

Então o Rei dos Pingos juntou as 18 tribos e decretou:
“Pingalhada, a malta aqui não é bem vista, já andam os caçadores de focas a olhar de lado para nós, e também isto é pobre pa caraças e não interessa nem ao Menino Jesus. Bora mas é até ao Vaticano que tem boa(s) pinga(s) e viver que nem lordes”.
Então muniram-se de cúbitos de gelo (em época de aquecimento gelo é ouro) e em uníssono gritando “Ping, Ping, Ping” marcharam sobre o Vaticano. Aí foi fácil derrubar aquele exército mole, proclamar o novo Papa Pingo I, mudando o nome de Vaticano para PingoCano, iniciando uma próspera dinastia Ping e instituindo o Igloo como a nova moeda forte.

Com a reforma do Vaticano surgiu a necessidade de remodelação dos espaços. Então o Papa Pingo I contratou os serviços do arquitecto Jetangelo que deu uma volta àquele cenário. Nomeadamente procederam-se às seguintes modificações:
- Parede de fundo da capela Sistina manteve-se, mas desapareceu aquela bonecada toda;
- Mesa e cadeiras foram embora, além de ocuparem imenso espaço não serviam para nada, já que está tudo resolvido sem necessidade de falsas reuniões. Assim ganhou-se um espaço com condições onde os mártires da Inquisição podiam sofrer decentemente;
- Foi instalado um pavimento em blocos de gelo tradicional lá na Pingolandia;
- Instalação de um Portal de inspiração étnica e como homenagem ao Deus Peixe;
- Desenho de um trono que não foi de fácil acordo, mas que finalmente conseguiu reunir um assento nobre com as costas de uma real moeda, sem perder de vista o espírito da coisa, ou seja, não se afastar muito das linhas da cadeira erótica da Emanuelle;
- Novas tubagens e canalizações que suportassem torneiras de ouro puro, cuja sombra vinda de todo o Mundo alimentasse slot machines de Jackpot sempre garantido (em nome de Je$u$ claro);
- Rebentou-se com a proporção ortogonal afunilada da Capela, criando alas laterais com cantos e recantos onde os diversos jogos eróticos, de conspiração e de trafico de poder pudessem coexistir decentemente;
- Linha telefónica para donativos diversos DSL (Donativos Sem Limite);
- Estatuetas de ouro humano reciclável, novos vitrais, passadeiras e cortinas alusivas a uma época não muito distante…
- Finalmente uma coluna decorativa ouro e azul que não serve para porra nenhuma, pura cultura kitsch, mas está de acordo com as novas tendências arquitectónicas… o povo diz que é arte e justifica o aumento dos honorários… os ricos que paguem a crise.
- No âmbito da modernização foi criado software para pagamento de penas de confissão online, mediante preenchimento de impresso tipo. A ideia, no entanto não foi aceite, por conduzir a uma perca de contacto “humano”, e riscos de alguma igreja concorrente praticar multas mais suaves… politicamente correcto, claro.
_______________________________________________________________________________________
NEGÓCIO DA FÉ – FACTOS, CURIOSIDADES E COINCIDENCIAS

FÁTIMA
A comemoração dos 90 anos da primeira aparição da Virgem aos pastorinhos (13 de Maio de 1917), atraiu à Cova da Iria 500 mil religiosos, que teriam deixado em Fátima 50 milhões de euros. Em lojas exploradas pela Igreja, medalhas, velas, lenços para dizer adeus à virgem, bonés, cadeirinhas são exemplos de que em nome da fé, quase tudo se vende.
Fonte valiosa de receita são as esmolas e promessas pagas por fiéis vindas de todo o mundo. Num país em grave crise financeira, o desemprego e a mudança da moeda para o euro afectou directamente a condição das igrejas portuguesas. Em Fátima, as esmolas e ofertas desceram de 9,9 milhões de euros em 2002 para 9,1 milhões em 2005, representando uma queda de 8%.
De referir ainda as diversas isenções fiscais que recaem sobre as côngruas, doações, salário dos padres e bens patrimoniais da Igreja.
As obras da Igreja da Santíssima Trindade (acabamento) estão orçadas em 60 milhões de euros. A Cova da Iria tem capacidade para 250 a 300 mil pessoas, sempre repleta por altura da Procissão das Velas (vendidas em lucrativo negócio), e a Procissão do Adeus.

APARECIDA
A frustrada campanha das Bandeiras em São Paulo que não encontrou as tão sonhadas montanhas de esmeraldas de Paes Leme, contrastava-se com a afortunada descoberta dos veios de ouro de Minas Gerais. Ouro esse garimpado pelos escravos sob as vistas dos senhores portugueses.
Os negros vieram para o Brasil de forma a cumprir o papel que os colonizadores não conseguiram impor aos índios, ou seja, serem escravos. Como o papa declarou que negro não tem alma, ficou fácil capturá-los à força ou através dos escambos com “consciência” limpa. Separados de sua terra, família, tribo e posições socais, rodeavam ou passavam sob o chamado Portal da Memória, que poderia ser uma árvore, tronco, cordel, afim de largarem em África suas lembranças e como gado serem embarcados em navios negreiros e desembarcados para cumprirem sua sina... assim começou a colonização Brasileira.
Em Guaratinguetá, aproveitando a passagem do Conde de Assumar que veio ao Brasil a mando do Rei de Portugal para inibir a ganância dos padres que extraviavam ouro para o Papa, o ambicioso padre José Alves Vilela tentou promover-se aos seus olhos e ao mesmo tempo recuperar um pouco da frustração bandeirante. Ofereceu um banquete de peixe e para isso enviou três pescadores ao Rio Paraíba, de onde tiraram a estátua preta de terracota que lá fora colocada com antecedência. A imagem assim foi apresentada ao encantado Conde. Nasceu assim o maior conto do vigário no Brasil.
Hoje a região abriga a maior basílica do mundo, com visita de mais de 8 milhões de fiéis por ano, gerando um lucrativo comércio, incluindo o Shopping da Fé ligado à basílica por uma passarela. O volume de negócios em toda a cidade é espantoso.
O turismo e o comércio em geral constituem as principais actividades económicas do município que possui 50 micro-indústrias de transformação voltadas para o comércio religioso (artigos religiosos e artesanato).
Ao lado da basílica, uma torre de 18 andares com 100 metros de altura abriga a administração do santuário, a Central de Informações, o Centro de Documentação e Memória e o Museu de Nossa Senhora Aparecida. Um elevador facilita o acesso ao Mirante da Torre, no 18º andar, com uma completa visão panorâmica.
Na Capela das Velas são acesas anualmente mais de 6 milhões de velas. O rio de parafina derretida das velas é direccionado para depósitos próprios, reciclado em novas velas e assim revendidas para comercialização, cujo valor reverte para o santuário.
Na Sala das Promessas é possível encontrar desde objectos deixados por celebridades, como a bola e a camisa que Ronaldo usou no Mundial de 2002, até mechas de cabelo e peças de roupa. A Miss Brasil Natália Aparecida Guimarães doou o seu vestido avaliado em 30 mil dólares que será leiloado em favor da Igreja.
Está em construção um Centro de Eventos com área de 15.000 m2 e capacidade para 12 mil pessoas sentadas. O investimento até agora é de 20 milhões de reais e será inaugurado até Dezembro de 2008. Todas as obras são custeadas pelos fiéis por meio de ofertas e pelos 430 mil doadores regulares da Campanha dos Devotos.
Durante a sua visita ao Brasil o Papa Bento XIV hospedou-se duas noites no Seminário Bom Jesus. Ocupou um quarto com 45 m2 e o quarto anexo foi transformado em capela para rezar missas particulares. O prédio de 4 andares foi totalmente reformado sendo os 6 milhões de reais das obras custeados por um grupo de empresários.
Antes mesmo da chegada do Papa, o Santuário Nacional lançou um CD com hino de acolhida, do qual se venderam 75 mil cópias por encomenda e reprodução de mais 125 mil. Foram vendidos a R$ 9,90, com direito a um poster de Bento XVI.
A visita custou ainda cerca de 20 milhões de reais (preparação da cidade e da igreja para 1 milhão de romeiros) em investimentos saídos dos cofres públicos e iniciativa privada. Só a prefeitura de Aparecida desembolsou 10 milhões. Mesmo assim este não é o custo total, tendo por exemplo a aeronáutica disponibilizado aviões para buscar a comitiva papal e 2 papamóveis em Roma.
Só a cerimónia da missa custou 900 mil reais; 300 mil foram gastos na estrutura do palco, 400 mil em equipamento de som e iluminação, o resto em aluguer de 15 telões, 14 mil metros de grades, etc. Só para citar dois dos mais mediáticos, nem Madonna ou Pink Floyd atingem estes valores…
Aproveitando a visita, a Igreja produziu medalhinhas banhadas a ouro (R$300,00), prata (R$ 150,00) e bronze (R$98,00), que gerou um lucro de R$1,9 milhões. Foram vendidas também medalhas em ouro maciço, além de uma série de bugigangas de marketing Papal.
Para os interessados o Telefone para doações à Aparecida é (55 – Brasil) 0800-101210.

VATICANO
Em 1095 Urbano II ordenou aos reis cristãos que atacassem o Oriente Médio para “libertar” Jerusalém, dominada por muçulmanos desde o século VII. Cerca de 25 000 peregrinos e guerreiros escreveram uma das páginas mais brutais da história: as Cruzadas. Durante a tomada de Jerusalém, quase todos os judeus e muçulmanos da cidade foram massacrados. Nos 200 anos seguintes, mais 8 cruzadas se seguiriam. As Cruzadas não foram apenas uma “questão” religiosa. Motivações económicas, políticas e sociais juntam-se à religião para tornar o contexto propício. Na 4ª Cruzada, desviaram-se da Terra Santa e saquearam Constantinopla, cidade de cristãos como eles, destruindo todo um rico passado Bizantino.
Um século depois o papado era uma potência militar, e também uma instituição milionária. Os europeus eram obrigados a rechear os cofres da Igreja com um décimo de suas rendas anuais, o “dízimo eclesiástico”. A opulência papal era tanta que começou a atrair ódio. No sul da França nasceu uma seita conhecida como catarismo que negava a autoridade do papa e o chamava de filho do demónio. Em 1209 o Papa Inocêncio convocou uma guerra santa contra a “seita maldita”: aldeias foram queimadas, multidões chacinadas. Em 1233 foi criada a Santa Inquisição, tribunal de clérigos com o poder de acusar, julgar e condenar inimigos da Igreja. Com o tempo, o Santo Ofício espalhou-se por outros países, perseguiu e queimou não só cátaros, mas todos que discordassem dos dogmas católicos – judeus, cientistas, gays. As sociedades cristãs tornaram-se perseguidoras e teocráticas.
Aos poucos, a boa vida afrouxou os costumes da Igreja. O celibato passou a ser um detalhe e Roma mergulhou numa luxuriosa dolce vita, e paraíso de oportunistas. Rodrigo Borgia foi eleito Papa em 1492 graças à propina distribuída aos eleitores (4 mulas carregadas de ouro). Bonitão e sedutor tinha duas amantes oficiais, deu festas de arromba no Palácio Apostólico e gerou 7 filhos conhecidos, alguns presenteados com rentáveis cargos eclesiásticos.
Os Papas da Renascença deixaram no entanto um legado cultural rico. Construíram bibliotecas, ergueram monumentos e transformaram a cidade num tesouro para os olhos. Júlio II, pai de 3 filhas, em vez de rezar missas de batina preferia comandar exércitos, vestido em armadura de prata. Nos intervalos entre batalhas iniciou a reconstrução da Basílica de São Pedro e patrocinou alguns dos maiores génios da época, como os pintores Rafael e Michelangelo, autor das pinturas no tecto da capela Sistina.
Para financiar as obras, autorizou todas as igrejas da Europa a vender “indulgências” – documentos que davam absolvição total dos pecados em troca de dinheiro. Isso enfureceu o monge alemão Martinho Lutero, que em 1517 originava a Reforma Protestante. Pouco depois, cristãos da Europa Central já renegavam a autoridade do Papa e a supremacia de Roma. O continente mergulhou em dois séculos de guerras religiosas.
Em 11 de Fevereiro de 1929 Pio XI e Mussolini assinaram o controverso Tratado de Latrão. Mussolini queria que a Igreja reconhecesse oficialmente o regime na tentativa de neutralizar o adversário Partido Popular. Pio XI pediu o que havia perdido no século 19, durante o processo de unificação italiana: um Estado soberano, mais uma doação de cerca de US$ 90 milhões.
Este pacto foi nocivo para a imagem do Vaticano. No fim da vida, Pio XI repensou as suas alianças e escreveu uma encíclica condenando o anti-semitismo. Faltavam 2 dias para a publicação do texto quando morreu em 1939. Numa decisão desastrosa, o sucessor Pio XII arquivou a encíclica redentora: ele via no regime nazista um mal necessário na luta contra a maior das ameaças, o comunismo. “Mesmo após o início da 2a Guerra Mundial, Pio XII jamais denunciou os crimes nazistas. Hitler, que se dizia católico, nunca foi excomungado”, escreve o teólogo alemão Hans Kung.
Já em 2008 foi actualizada a lista dos 7 pecados mortais, aos quais foram acrescentados mais uns tantos: são condenáveis ao Inferno as almas daqueles que em vida cometam crimes contra o ambiente, participem em experiências científicas duvidosas ou manipulações genéticas, acumulem riquezas excessivas, consumam ou trafiquem drogas, provoquem pobreza, injustiça ou desigualdade social. É claro que esta necessidade de actualização dos pecados mortais só terá efeitos a nível da retórica católica. Em concreto, nada mais mudará. Bento XVI arrisca-se a pisar terrenos escorregadios.
O património do Vaticano está avaliado em mais de 850 milhões de euros, sem contar riquezas inestimáveis, como a Basílica de São Pedro e a Capela Sistina, abrigando também uma valiosa biblioteca, com colecções de grande relevância histórica, científica e cultural.
Os activos do Vaticano ultrapassam os US$ 5 bilhões. O Banco do Vaticano guarda no seu cofre cerca de US$ 3,2 bilhões – dinheiro pertencente a investidores que moram na Cidade do Vaticano. Os lucros anuais ascendem a US$ 200 milhões, incluindo doações de dioceses e investimentos em empresas europeias.
A cidade registou receitas de US$ 209,6 milhões em 2002 e é sustentada pelo comércio de roupas, perfumes e aparelhos electrónicos, vendidos a preços mais baixos devido à isenção fiscal, e pela venda de selos e publicações e pelo dinheiro arrecadado com as entradas para museus
João Paulo II tinha mil apartamentos registados em seu nome em Roma.
O Vaticano possui ainda investimentos em bancos, seguros e participações em empresas de produtos químicos, aço, construções e imóveis. Diz-se também que a igreja é um dos maiores proprietários de terras e imóveis em todo o mundo.
O grosso da receita do Vaticano vem do Óbolo de S. Pedro, sistema de arrecadação que colecta donativos de 5.627 dioceses em todo o mundo, que rende 50 milhões de euros anuais. Essa “operação” acontece nas paróquias no dia 29 de junho, festa dos apóstolos S. Pedro e S. Paulo. Além disso, o Papa recebe doações pessoais dos fiéis (em 2002 doaram 85 milhões de euros). O site do Vaticano (www.vatican.va) tem uma página para o Óbolo de São Pedro, com várias opções para a remessa.
Claro que também as despesas são elevadas, senão vejamos:
Na década de 70 “desapareceram” US$ 1,3 bilhão dos cofres do Banco Ambrosiano. A Santa Sé como um dos maiores accionistas teve que desembolsar US$ 250 milhões a credores, alegando “envolvimento moral” no caso.
O principal responsável pelo Banco do Vaticano era o arcebispo americano Paul Marcinkus, que fora segurança particular do papa Paulo VI. Chegou a governador da Cidade do Vaticano e esteve à frente do IOR. Acabou indiciado em 1982, quando Roberto Calvi, presidente do Banco Ambrosiano, foi jogado de uma ponte em Londres, com pedaços de tijolo nos bolsos. A máfia italiana foi acusada de mandar matar Calvi, envolvido num esquema de lavagem de dinheiro. Marcinkus não foi investigado, graças à imunidade religiosa…
Outro abalo financeiro foi o escândalo dos padres americanos pedófilos em 2000 e 2001. O Vaticano, por “respeito” à legislação americana teve que abrir mão de parte do dinheiro arrecadado em doações para transformá-la em indemnizações de US$ 55 milhões aos familiares dos 130 menores violentados pelo sacerdote John Geoghan.
As despesas de funcionamento da Cúria Romana, que tem cerca de 2.500 funcionários, ascendem a mais de 213 milhões de euros. Contas rápidas, equivale a dizer que em média cada um ganha mais de 15 ordenados mínimos em Portugal…

________________________________________________________________________________________________

SÍNTESE- CONCLUSÃO

Num canto da sala, a MIR com cara de abandonada por Deus assistia aos jogos de poder deste novo reinado. Os artistas eram os do costume: Padre buscando rápida ascensão no Reino da Terra; Político de boa fé negociando fé; Empresário sorridente mas com duvida entre vender fé na China ou montar um restaurante Chinês no PingoCano; Virgem com menstruação atrasada; Jornalista ateu e independente; Pagadores de promessas que a mãe fez porque a tia disse, mas que já não se lembra o que é; Mártires da Inquisição que afirmaram que o Scolari ia para o Milan; Crentes de verdade e outros que nem puta ideia do que estavam ali a fazer…
Na sua divina inocência a MIR pensava com os seus (em falta) botões: Se não fosse o bico, como ia distinguir o Papa do Pinguim?

"O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente" (Lord Action)
“Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o carácter de um homem, dê-lhe poder.”
(Abraham Lincoln)
“Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si próprio é verdadeiro poder” (Lao Tsé)
“A questão não está no poder, nem em quem o detém… está na (in)consciência cega do homem, cuja obediência aos mandamentos se resume no “crescei e multiplicai-vos”, esquecendo-se de crescer” (Jet… dos Santos)

(continua nos próximos capítulos…)
exif / informação técnica
Sem informações de EXIF
favorita de 442
galardões
  • galardão comentários
    125
    comentários
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
Awaken (IX– Papa Pingo I)
*** AWAKEN – PAPA PINGO I *** INTRODUÇÃO

Já vimos nos capítulos anteriores as mudanças que o Anticristo provocou e a necessidade dum enviado divino à Terra. A MIR, que mal chegou perdeu a cabeça no Talho Simpatia, resolveu procurar o “Embaixador” no Vaticano, apresentar credenciais, ver o clima e pedir instruções. Que é que ela encontrou por lá?

Com a chegada do Anticristo tudo se inverteu. Na Antárctica o aquecimento global aumentou, o que levou a que os vários milhões de pinguins distribuídos por 18 espécies se mudassem para o pólo oposto, região Árctica, mais concretamente para a Gronelândia.
A Gronelândia é um país cuja economia depende quase em exclusivo da pesca, sendo a caça à foca o “desporto” preferido pelos seus habitantes. Com um produto interno bruto (PIB) dos mais frágeis da Europa (Portugal que é um “paraíso” tem 203,1, a Gronelândia 1,1 …), é por outro lado dos que têm menor densidade populacional no Mundo (0,03hab/km2).
No outro prato da balança encontra-se o Vaticano com 2093 hab/km2, com um PIB e contas oficiais não publicadas (!?!), mas cuja riqueza se estima superior a 15 biliões de dólares.

Então o Rei dos Pingos juntou as 18 tribos e decretou:
“Pingalhada, a malta aqui não é bem vista, já andam os caçadores de focas a olhar de lado para nós, e também isto é pobre pa caraças e não interessa nem ao Menino Jesus. Bora mas é até ao Vaticano que tem boa(s) pinga(s) e viver que nem lordes”.
Então muniram-se de cúbitos de gelo (em época de aquecimento gelo é ouro) e em uníssono gritando “Ping, Ping, Ping” marcharam sobre o Vaticano. Aí foi fácil derrubar aquele exército mole, proclamar o novo Papa Pingo I, mudando o nome de Vaticano para PingoCano, iniciando uma próspera dinastia Ping e instituindo o Igloo como a nova moeda forte.

Com a reforma do Vaticano surgiu a necessidade de remodelação dos espaços. Então o Papa Pingo I contratou os serviços do arquitecto Jetangelo que deu uma volta àquele cenário. Nomeadamente procederam-se às seguintes modificações:
- Parede de fundo da capela Sistina manteve-se, mas desapareceu aquela bonecada toda;
- Mesa e cadeiras foram embora, além de ocuparem imenso espaço não serviam para nada, já que está tudo resolvido sem necessidade de falsas reuniões. Assim ganhou-se um espaço com condições onde os mártires da Inquisição podiam sofrer decentemente;
- Foi instalado um pavimento em blocos de gelo tradicional lá na Pingolandia;
- Instalação de um Portal de inspiração étnica e como homenagem ao Deus Peixe;
- Desenho de um trono que não foi de fácil acordo, mas que finalmente conseguiu reunir um assento nobre com as costas de uma real moeda, sem perder de vista o espírito da coisa, ou seja, não se afastar muito das linhas da cadeira erótica da Emanuelle;
- Novas tubagens e canalizações que suportassem torneiras de ouro puro, cuja sombra vinda de todo o Mundo alimentasse slot machines de Jackpot sempre garantido (em nome de Je$u$ claro);
- Rebentou-se com a proporção ortogonal afunilada da Capela, criando alas laterais com cantos e recantos onde os diversos jogos eróticos, de conspiração e de trafico de poder pudessem coexistir decentemente;
- Linha telefónica para donativos diversos DSL (Donativos Sem Limite);
- Estatuetas de ouro humano reciclável, novos vitrais, passadeiras e cortinas alusivas a uma época não muito distante…
- Finalmente uma coluna decorativa ouro e azul que não serve para porra nenhuma, pura cultura kitsch, mas está de acordo com as novas tendências arquitectónicas… o povo diz que é arte e justifica o aumento dos honorários… os ricos que paguem a crise.
- No âmbito da modernização foi criado software para pagamento de penas de confissão online, mediante preenchimento de impresso tipo. A ideia, no entanto não foi aceite, por conduzir a uma perca de contacto “humano”, e riscos de alguma igreja concorrente praticar multas mais suaves… politicamente correcto, claro.
_______________________________________________________________________________________
NEGÓCIO DA FÉ – FACTOS, CURIOSIDADES E COINCIDENCIAS

FÁTIMA
A comemoração dos 90 anos da primeira aparição da Virgem aos pastorinhos (13 de Maio de 1917), atraiu à Cova da Iria 500 mil religiosos, que teriam deixado em Fátima 50 milhões de euros. Em lojas exploradas pela Igreja, medalhas, velas, lenços para dizer adeus à virgem, bonés, cadeirinhas são exemplos de que em nome da fé, quase tudo se vende.
Fonte valiosa de receita são as esmolas e promessas pagas por fiéis vindas de todo o mundo. Num país em grave crise financeira, o desemprego e a mudança da moeda para o euro afectou directamente a condição das igrejas portuguesas. Em Fátima, as esmolas e ofertas desceram de 9,9 milhões de euros em 2002 para 9,1 milhões em 2005, representando uma queda de 8%.
De referir ainda as diversas isenções fiscais que recaem sobre as côngruas, doações, salário dos padres e bens patrimoniais da Igreja.
As obras da Igreja da Santíssima Trindade (acabamento) estão orçadas em 60 milhões de euros. A Cova da Iria tem capacidade para 250 a 300 mil pessoas, sempre repleta por altura da Procissão das Velas (vendidas em lucrativo negócio), e a Procissão do Adeus.

APARECIDA
A frustrada campanha das Bandeiras em São Paulo que não encontrou as tão sonhadas montanhas de esmeraldas de Paes Leme, contrastava-se com a afortunada descoberta dos veios de ouro de Minas Gerais. Ouro esse garimpado pelos escravos sob as vistas dos senhores portugueses.
Os negros vieram para o Brasil de forma a cumprir o papel que os colonizadores não conseguiram impor aos índios, ou seja, serem escravos. Como o papa declarou que negro não tem alma, ficou fácil capturá-los à força ou através dos escambos com “consciência” limpa. Separados de sua terra, família, tribo e posições socais, rodeavam ou passavam sob o chamado Portal da Memória, que poderia ser uma árvore, tronco, cordel, afim de largarem em África suas lembranças e como gado serem embarcados em navios negreiros e desembarcados para cumprirem sua sina... assim começou a colonização Brasileira.
Em Guaratinguetá, aproveitando a passagem do Conde de Assumar que veio ao Brasil a mando do Rei de Portugal para inibir a ganância dos padres que extraviavam ouro para o Papa, o ambicioso padre José Alves Vilela tentou promover-se aos seus olhos e ao mesmo tempo recuperar um pouco da frustração bandeirante. Ofereceu um banquete de peixe e para isso enviou três pescadores ao Rio Paraíba, de onde tiraram a estátua preta de terracota que lá fora colocada com antecedência. A imagem assim foi apresentada ao encantado Conde. Nasceu assim o maior conto do vigário no Brasil.
Hoje a região abriga a maior basílica do mundo, com visita de mais de 8 milhões de fiéis por ano, gerando um lucrativo comércio, incluindo o Shopping da Fé ligado à basílica por uma passarela. O volume de negócios em toda a cidade é espantoso.
O turismo e o comércio em geral constituem as principais actividades económicas do município que possui 50 micro-indústrias de transformação voltadas para o comércio religioso (artigos religiosos e artesanato).
Ao lado da basílica, uma torre de 18 andares com 100 metros de altura abriga a administração do santuário, a Central de Informações, o Centro de Documentação e Memória e o Museu de Nossa Senhora Aparecida. Um elevador facilita o acesso ao Mirante da Torre, no 18º andar, com uma completa visão panorâmica.
Na Capela das Velas são acesas anualmente mais de 6 milhões de velas. O rio de parafina derretida das velas é direccionado para depósitos próprios, reciclado em novas velas e assim revendidas para comercialização, cujo valor reverte para o santuário.
Na Sala das Promessas é possível encontrar desde objectos deixados por celebridades, como a bola e a camisa que Ronaldo usou no Mundial de 2002, até mechas de cabelo e peças de roupa. A Miss Brasil Natália Aparecida Guimarães doou o seu vestido avaliado em 30 mil dólares que será leiloado em favor da Igreja.
Está em construção um Centro de Eventos com área de 15.000 m2 e capacidade para 12 mil pessoas sentadas. O investimento até agora é de 20 milhões de reais e será inaugurado até Dezembro de 2008. Todas as obras são custeadas pelos fiéis por meio de ofertas e pelos 430 mil doadores regulares da Campanha dos Devotos.
Durante a sua visita ao Brasil o Papa Bento XIV hospedou-se duas noites no Seminário Bom Jesus. Ocupou um quarto com 45 m2 e o quarto anexo foi transformado em capela para rezar missas particulares. O prédio de 4 andares foi totalmente reformado sendo os 6 milhões de reais das obras custeados por um grupo de empresários.
Antes mesmo da chegada do Papa, o Santuário Nacional lançou um CD com hino de acolhida, do qual se venderam 75 mil cópias por encomenda e reprodução de mais 125 mil. Foram vendidos a R$ 9,90, com direito a um poster de Bento XVI.
A visita custou ainda cerca de 20 milhões de reais (preparação da cidade e da igreja para 1 milhão de romeiros) em investimentos saídos dos cofres públicos e iniciativa privada. Só a prefeitura de Aparecida desembolsou 10 milhões. Mesmo assim este não é o custo total, tendo por exemplo a aeronáutica disponibilizado aviões para buscar a comitiva papal e 2 papamóveis em Roma.
Só a cerimónia da missa custou 900 mil reais; 300 mil foram gastos na estrutura do palco, 400 mil em equipamento de som e iluminação, o resto em aluguer de 15 telões, 14 mil metros de grades, etc. Só para citar dois dos mais mediáticos, nem Madonna ou Pink Floyd atingem estes valores…
Aproveitando a visita, a Igreja produziu medalhinhas banhadas a ouro (R$300,00), prata (R$ 150,00) e bronze (R$98,00), que gerou um lucro de R$1,9 milhões. Foram vendidas também medalhas em ouro maciço, além de uma série de bugigangas de marketing Papal.
Para os interessados o Telefone para doações à Aparecida é (55 – Brasil) 0800-101210.

VATICANO
Em 1095 Urbano II ordenou aos reis cristãos que atacassem o Oriente Médio para “libertar” Jerusalém, dominada por muçulmanos desde o século VII. Cerca de 25 000 peregrinos e guerreiros escreveram uma das páginas mais brutais da história: as Cruzadas. Durante a tomada de Jerusalém, quase todos os judeus e muçulmanos da cidade foram massacrados. Nos 200 anos seguintes, mais 8 cruzadas se seguiriam. As Cruzadas não foram apenas uma “questão” religiosa. Motivações económicas, políticas e sociais juntam-se à religião para tornar o contexto propício. Na 4ª Cruzada, desviaram-se da Terra Santa e saquearam Constantinopla, cidade de cristãos como eles, destruindo todo um rico passado Bizantino.
Um século depois o papado era uma potência militar, e também uma instituição milionária. Os europeus eram obrigados a rechear os cofres da Igreja com um décimo de suas rendas anuais, o “dízimo eclesiástico”. A opulência papal era tanta que começou a atrair ódio. No sul da França nasceu uma seita conhecida como catarismo que negava a autoridade do papa e o chamava de filho do demónio. Em 1209 o Papa Inocêncio convocou uma guerra santa contra a “seita maldita”: aldeias foram queimadas, multidões chacinadas. Em 1233 foi criada a Santa Inquisição, tribunal de clérigos com o poder de acusar, julgar e condenar inimigos da Igreja. Com o tempo, o Santo Ofício espalhou-se por outros países, perseguiu e queimou não só cátaros, mas todos que discordassem dos dogmas católicos – judeus, cientistas, gays. As sociedades cristãs tornaram-se perseguidoras e teocráticas.
Aos poucos, a boa vida afrouxou os costumes da Igreja. O celibato passou a ser um detalhe e Roma mergulhou numa luxuriosa dolce vita, e paraíso de oportunistas. Rodrigo Borgia foi eleito Papa em 1492 graças à propina distribuída aos eleitores (4 mulas carregadas de ouro). Bonitão e sedutor tinha duas amantes oficiais, deu festas de arromba no Palácio Apostólico e gerou 7 filhos conhecidos, alguns presenteados com rentáveis cargos eclesiásticos.
Os Papas da Renascença deixaram no entanto um legado cultural rico. Construíram bibliotecas, ergueram monumentos e transformaram a cidade num tesouro para os olhos. Júlio II, pai de 3 filhas, em vez de rezar missas de batina preferia comandar exércitos, vestido em armadura de prata. Nos intervalos entre batalhas iniciou a reconstrução da Basílica de São Pedro e patrocinou alguns dos maiores génios da época, como os pintores Rafael e Michelangelo, autor das pinturas no tecto da capela Sistina.
Para financiar as obras, autorizou todas as igrejas da Europa a vender “indulgências” – documentos que davam absolvição total dos pecados em troca de dinheiro. Isso enfureceu o monge alemão Martinho Lutero, que em 1517 originava a Reforma Protestante. Pouco depois, cristãos da Europa Central já renegavam a autoridade do Papa e a supremacia de Roma. O continente mergulhou em dois séculos de guerras religiosas.
Em 11 de Fevereiro de 1929 Pio XI e Mussolini assinaram o controverso Tratado de Latrão. Mussolini queria que a Igreja reconhecesse oficialmente o regime na tentativa de neutralizar o adversário Partido Popular. Pio XI pediu o que havia perdido no século 19, durante o processo de unificação italiana: um Estado soberano, mais uma doação de cerca de US$ 90 milhões.
Este pacto foi nocivo para a imagem do Vaticano. No fim da vida, Pio XI repensou as suas alianças e escreveu uma encíclica condenando o anti-semitismo. Faltavam 2 dias para a publicação do texto quando morreu em 1939. Numa decisão desastrosa, o sucessor Pio XII arquivou a encíclica redentora: ele via no regime nazista um mal necessário na luta contra a maior das ameaças, o comunismo. “Mesmo após o início da 2a Guerra Mundial, Pio XII jamais denunciou os crimes nazistas. Hitler, que se dizia católico, nunca foi excomungado”, escreve o teólogo alemão Hans Kung.
Já em 2008 foi actualizada a lista dos 7 pecados mortais, aos quais foram acrescentados mais uns tantos: são condenáveis ao Inferno as almas daqueles que em vida cometam crimes contra o ambiente, participem em experiências científicas duvidosas ou manipulações genéticas, acumulem riquezas excessivas, consumam ou trafiquem drogas, provoquem pobreza, injustiça ou desigualdade social. É claro que esta necessidade de actualização dos pecados mortais só terá efeitos a nível da retórica católica. Em concreto, nada mais mudará. Bento XVI arrisca-se a pisar terrenos escorregadios.
O património do Vaticano está avaliado em mais de 850 milhões de euros, sem contar riquezas inestimáveis, como a Basílica de São Pedro e a Capela Sistina, abrigando também uma valiosa biblioteca, com colecções de grande relevância histórica, científica e cultural.
Os activos do Vaticano ultrapassam os US$ 5 bilhões. O Banco do Vaticano guarda no seu cofre cerca de US$ 3,2 bilhões – dinheiro pertencente a investidores que moram na Cidade do Vaticano. Os lucros anuais ascendem a US$ 200 milhões, incluindo doações de dioceses e investimentos em empresas europeias.
A cidade registou receitas de US$ 209,6 milhões em 2002 e é sustentada pelo comércio de roupas, perfumes e aparelhos electrónicos, vendidos a preços mais baixos devido à isenção fiscal, e pela venda de selos e publicações e pelo dinheiro arrecadado com as entradas para museus
João Paulo II tinha mil apartamentos registados em seu nome em Roma.
O Vaticano possui ainda investimentos em bancos, seguros e participações em empresas de produtos químicos, aço, construções e imóveis. Diz-se também que a igreja é um dos maiores proprietários de terras e imóveis em todo o mundo.
O grosso da receita do Vaticano vem do Óbolo de S. Pedro, sistema de arrecadação que colecta donativos de 5.627 dioceses em todo o mundo, que rende 50 milhões de euros anuais. Essa “operação” acontece nas paróquias no dia 29 de junho, festa dos apóstolos S. Pedro e S. Paulo. Além disso, o Papa recebe doações pessoais dos fiéis (em 2002 doaram 85 milhões de euros). O site do Vaticano (www.vatican.va) tem uma página para o Óbolo de São Pedro, com várias opções para a remessa.
Claro que também as despesas são elevadas, senão vejamos:
Na década de 70 “desapareceram” US$ 1,3 bilhão dos cofres do Banco Ambrosiano. A Santa Sé como um dos maiores accionistas teve que desembolsar US$ 250 milhões a credores, alegando “envolvimento moral” no caso.
O principal responsável pelo Banco do Vaticano era o arcebispo americano Paul Marcinkus, que fora segurança particular do papa Paulo VI. Chegou a governador da Cidade do Vaticano e esteve à frente do IOR. Acabou indiciado em 1982, quando Roberto Calvi, presidente do Banco Ambrosiano, foi jogado de uma ponte em Londres, com pedaços de tijolo nos bolsos. A máfia italiana foi acusada de mandar matar Calvi, envolvido num esquema de lavagem de dinheiro. Marcinkus não foi investigado, graças à imunidade religiosa…
Outro abalo financeiro foi o escândalo dos padres americanos pedófilos em 2000 e 2001. O Vaticano, por “respeito” à legislação americana teve que abrir mão de parte do dinheiro arrecadado em doações para transformá-la em indemnizações de US$ 55 milhões aos familiares dos 130 menores violentados pelo sacerdote John Geoghan.
As despesas de funcionamento da Cúria Romana, que tem cerca de 2.500 funcionários, ascendem a mais de 213 milhões de euros. Contas rápidas, equivale a dizer que em média cada um ganha mais de 15 ordenados mínimos em Portugal…

________________________________________________________________________________________________

SÍNTESE- CONCLUSÃO

Num canto da sala, a MIR com cara de abandonada por Deus assistia aos jogos de poder deste novo reinado. Os artistas eram os do costume: Padre buscando rápida ascensão no Reino da Terra; Político de boa fé negociando fé; Empresário sorridente mas com duvida entre vender fé na China ou montar um restaurante Chinês no PingoCano; Virgem com menstruação atrasada; Jornalista ateu e independente; Pagadores de promessas que a mãe fez porque a tia disse, mas que já não se lembra o que é; Mártires da Inquisição que afirmaram que o Scolari ia para o Milan; Crentes de verdade e outros que nem puta ideia do que estavam ali a fazer…
Na sua divina inocência a MIR pensava com os seus (em falta) botões: Se não fosse o bico, como ia distinguir o Papa do Pinguim?

"O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente" (Lord Action)
“Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o carácter de um homem, dê-lhe poder.”
(Abraham Lincoln)
“Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si próprio é verdadeiro poder” (Lao Tsé)
“A questão não está no poder, nem em quem o detém… está na (in)consciência cega do homem, cuja obediência aos mandamentos se resume no “crescei e multiplicai-vos”, esquecendo-se de crescer” (Jet… dos Santos)

(continua nos próximos capítulos…)
comentários
galardões
  • galardão comentários
    125
    comentários
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão favorito
    100
    favoritos

Sem informações de EXIF

favorita de (442)