foto user
João Martins Pereira
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Gentes e Locais/Gardelito (ler o texto, sff)
fullscreen play voltar lista nav-leftnav-right
Gentes e Locais/Gardelito (ler o texto, sff)
play voltar lista nav-leftnav-right

Gardelito (ler o texto, sff)

fotografias > 

Gentes e Locais

2014-09-17 11:55:29
Ver no mapa
comentários (9) galardões descrição exif favorita de (21)
descrição
Gardelito


Traja, a preceito, o fato de dandy porteño dos idos de 30, a que o uso deu lustro. O chapéu, colocado, manchado pelo suor. As noites desvairadas de bordéis e cabarés, os amores e os desamores, o tango e a milonga, o fumo e o álcool, cobraram o preço da passagem pela vida de Gardelito, deixando as suas marcas visíveis no mapa do seu olhar, perdido e aquoso.

Resta-lhe alguma altivez na pose. A viola no chão e o charuto, intocado na sua capa de celofane, na mão, a compor o quadro e a marcar o gesto tanguero.

Mão trémula e voz roufenha, passo incerto e rumo ausente, Gardelito vagueia pelo seu mundo interior.

No Barrio de San Telmo, exposto ao sol de Verão e à curiosidade dos turistas, está apenas o seu corpo marcado pelo tempo. O espírito, esse, está aprisionado nalgum salón ou almacén tanguero de Corrientes, no som do bandoneón, na posição cerrada da dança - peito com peito, cara com cara - nos passos firmes e vigorosos de outrora, nas mulheres do tango.

Ecoa-lhe ainda na cabeça o som de Troilo, de Goyeneche, de Pugliese, de Nelly Omar, de Tita Merello ou de Libertad Lamarque. Fará até questão de não conhecer nem reconhecer Piazzolla, Amelita Baltar. Susanita Rinaldi ou Adriana Varela.

O Tango é Gardel.

O Mestre, já maltratado pelos elementos, pregado na parede, tão alto que, para o encarar, Gardelito tem que levantar humildemente os olhos. Discreto e reverente, em plano afastado, é o próprio Gardelito que se dá ares de exibição, dado à estampa em recortes antigos, amarelecidos pelos anos.

E o vento que sopra do Rio da Prata traz-me o vago som de uma milonga vadia, com alguma improvável letra de Flaubert:

Gardelito soy yo !
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D100
Exposição: 1/125 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5
ISO: 250
Dist.Focal: 38mm
Dist.Focal (35mm): 57 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.6 (Macintosh)

favorita de 21
galardões
Esta foto não tem galardões
Gardelito (ler o texto, sff)
Gardelito


Traja, a preceito, o fato de dandy porteño dos idos de 30, a que o uso deu lustro. O chapéu, colocado, manchado pelo suor. As noites desvairadas de bordéis e cabarés, os amores e os desamores, o tango e a milonga, o fumo e o álcool, cobraram o preço da passagem pela vida de Gardelito, deixando as suas marcas visíveis no mapa do seu olhar, perdido e aquoso.

Resta-lhe alguma altivez na pose. A viola no chão e o charuto, intocado na sua capa de celofane, na mão, a compor o quadro e a marcar o gesto tanguero.

Mão trémula e voz roufenha, passo incerto e rumo ausente, Gardelito vagueia pelo seu mundo interior.

No Barrio de San Telmo, exposto ao sol de Verão e à curiosidade dos turistas, está apenas o seu corpo marcado pelo tempo. O espírito, esse, está aprisionado nalgum salón ou almacén tanguero de Corrientes, no som do bandoneón, na posição cerrada da dança - peito com peito, cara com cara - nos passos firmes e vigorosos de outrora, nas mulheres do tango.

Ecoa-lhe ainda na cabeça o som de Troilo, de Goyeneche, de Pugliese, de Nelly Omar, de Tita Merello ou de Libertad Lamarque. Fará até questão de não conhecer nem reconhecer Piazzolla, Amelita Baltar. Susanita Rinaldi ou Adriana Varela.

O Tango é Gardel.

O Mestre, já maltratado pelos elementos, pregado na parede, tão alto que, para o encarar, Gardelito tem que levantar humildemente os olhos. Discreto e reverente, em plano afastado, é o próprio Gardelito que se dá ares de exibição, dado à estampa em recortes antigos, amarelecidos pelos anos.

E o vento que sopra do Rio da Prata traz-me o vago som de uma milonga vadia, com alguma improvável letra de Flaubert:

Gardelito soy yo !
Tag’s: gardel,gardelito,tango,buenos aires,santelmo,argentina
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D100
Exposição: 1/125 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5
ISO: 250
Dist.Focal: 38mm
Dist.Focal (35mm): 57 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.6 (Macintosh)


favorita de (21)