foto user
jorge pimenta
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Urbana/Notas breves para urgências e datas impossíveis
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Urbana/Notas breves para urgências e datas impossíveis
voltar lista nav-leftnav-right

Notas breves para urgências e datas impossíveis

fotografias > 

Paisagem Urbana

2018-04-16 20:00:08
comentários (103) galardões descrição exif favorita de (129)
descrição
Toda a memória recorta imagens de um tempo em que ganhámos terra firme, esse lugar onde germinam os doze pequenos silêncios que escuto quase sem ferir os ouvidos. Por isso pergunto: “de onde vimos, tu e eu, versos brancos de poemas sem medo e sem correntes amarradas ao corpo?”.
Hoje é o dia de nos fixarmos no ponto que grita pelos vivos, que desenterra os mortos, o dia dos futuros possíveis e dos livros que nunca escreveremos – porque o tempo que nos sustinha o olhar lançou a pele à terra e todas as estrelas apodreceram no bolor da sua voz: haverá alguma linha perfeita à superfície da noite e da loucura?
Hoje! Hoje é o dia de recordar, hoje é o dia de esquecer, hoje é o dia de amar rosas com os dentes, de dizer poesia, de beber bocas e amansar línguas, hoje é o dia de esbanjar desejos que daqui a um ano reinventaremos e, porque toda a matéria é mentira, hoje é o dia de estender os braços, de escarnecer da distância e tocar a ponta extrema da estrela: a morte não nos vencerá, não... esta noite.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5.6
ISO: 2000
Dist.Focal: 14mm
Dist.Focal (35mm): 14 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)

favorita de 129
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador
  • galardão curador
    curador
Notas breves para urgências e datas impossíveis
Toda a memória recorta imagens de um tempo em que ganhámos terra firme, esse lugar onde germinam os doze pequenos silêncios que escuto quase sem ferir os ouvidos. Por isso pergunto: “de onde vimos, tu e eu, versos brancos de poemas sem medo e sem correntes amarradas ao corpo?”.
Hoje é o dia de nos fixarmos no ponto que grita pelos vivos, que desenterra os mortos, o dia dos futuros possíveis e dos livros que nunca escreveremos – porque o tempo que nos sustinha o olhar lançou a pele à terra e todas as estrelas apodreceram no bolor da sua voz: haverá alguma linha perfeita à superfície da noite e da loucura?
Hoje! Hoje é o dia de recordar, hoje é o dia de esquecer, hoje é o dia de amar rosas com os dentes, de dizer poesia, de beber bocas e amansar línguas, hoje é o dia de esbanjar desejos que daqui a um ano reinventaremos e, porque toda a matéria é mentira, hoje é o dia de estender os braços, de escarnecer da distância e tocar a ponta extrema da estrela: a morte não nos vencerá, não... esta noite.
Tag’s: metro,paisagem urbana,cor,solidão
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5.6
ISO: 2000
Dist.Focal: 14mm
Dist.Focal (35mm): 14 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)


favorita de (129)