foto user
J. PEDRO MARTINS
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Espetáculos/Novo Circo | CONTIGO
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Espetáculos/Novo Circo | CONTIGO
voltar lista nav-leftnav-right

Novo Circo | CONTIGO

fotografias > 

Espetáculos

2011-10-03 22:46:21
comentários (49) galardões descrição exif favorita de (23)
descrição
Vila do Conde
Teatro Municipal

CATA-VENTO
3º Festival Internacional de Circo e Artes de Rua
Agosto 2011

NOVO CIRCO
(Mastro Chinês)
"CONTIGO"

Criação: João P. Pereira Santos e Rui Horta
Interpretação: João P. Pereira Santos
Música: Tiago Cerqueira e Victor Joaquim
Figurinos e Direcção de Cena: Pedro Ferreira dos Santos
Produção: Scène de Cirque

"Contigo" é uma criação conjunta de João Paulo Santos, criador e intérprete especializado no mastro chinês, e do coreógrafo Rui Horta. A peça transforma o virtuosismo acrobático numa filigrânica teia de sequências nos quais o corpo se revolve para fixar uma coreografia que parte de um constante jogo de domínio, não da técnica do mastro chinês, não dos objectos, mas do que a partir disso se constrói. É um corpo que quer uma forma, uma posição e um lugar, seja na cadeira, no mastro ou no chão. E é também um modo de pensar o conflito entre ficção e realidade."
exif / informação técnica
Sem informações de EXIF
favorita de 23
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular
Novo Circo | CONTIGO
Vila do Conde
Teatro Municipal

CATA-VENTO
3º Festival Internacional de Circo e Artes de Rua
Agosto 2011

NOVO CIRCO
(Mastro Chinês)
"CONTIGO"

Criação: João P. Pereira Santos e Rui Horta
Interpretação: João P. Pereira Santos
Música: Tiago Cerqueira e Victor Joaquim
Figurinos e Direcção de Cena: Pedro Ferreira dos Santos
Produção: Scène de Cirque

"Contigo" é uma criação conjunta de João Paulo Santos, criador e intérprete especializado no mastro chinês, e do coreógrafo Rui Horta. A peça transforma o virtuosismo acrobático numa filigrânica teia de sequências nos quais o corpo se revolve para fixar uma coreografia que parte de um constante jogo de domínio, não da técnica do mastro chinês, não dos objectos, mas do que a partir disso se constrói. É um corpo que quer uma forma, uma posição e um lugar, seja na cadeira, no mastro ou no chão. E é também um modo de pensar o conflito entre ficção e realidade."
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular

Sem informações de EXIF

favorita de (23)