foto user
Bruno M. Ramos :)
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/O Aqueduto das Águas Livres...
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/O Aqueduto das Águas Livres...
voltar lista nav-leftnav-right

O Aqueduto das Águas Livres...

fotografias > 

História

2006-09-14 16:07:18
comentários (34) galardões descrição exif favorita de (13)
descrição
Aqueduto das Águas Livres, em Lisboa, Portugal,
considerado como o local mais bonito da cidade no virar do século, ergue-se
sobre o vale de Alcântara, A construção de um aqueduto para levar água à cidade
deu, a D. João V, a oportunidade para satisfazer a sua paixão pelas construções
grandiosas, uma vez que a única área de Lisboa que tinha água era Alfama. O
projecto foi pago com o produto de uma taxa sobre a carne, o vinho, o azeite e
outros comestíveis.

Apesar de só ter sido terminado no século XIX, em 1748 já fornecia água à
cidade. A conduta principal mede 19 km, embora o comprimento total, incluindo os
canais secundários, seja de 58 km. A sua parte mais conhecida são os 35 arcos
sobre o vale, o mais alto dos quais mede 65 metros de altura.


O caminho público por cima do aqueduto, esteve fechado desde 1853, em parte
devido aos crimes praticados por Diogo Alves, um criminoso que lançava as suas
vítimas do alto dos arcos e que foi o último decapitado da História Portuguesa.
Hoje é possível dar um passeio guiado por cima dos mesmos. Também é possível,
ocasionalmente, visitar o reservatório da Mãe d\'Água.

Na extremidade do aqueduto, a Mãe d\'Água das Amoreiras é uma espécie de castelo
que outrora serviu como reservatório. O desenho original, de 1745, foi do
arquitecto húngaro Carlos Mardel. Completado em 1834, tornou-se num popular
local de encontro para os monarcas e as suas amantes. Hoje o espaço é utilizado
para exposições de arte, desfiles de moda e outros eventos.

Na primeira fase da sua construção, até à chegada a Lisboa em 1748, contou com a
participação de famosos arquitectos e engenheiros militares, nomeadamente
António Canevari (italiano), Azevedo Fortes, Silva Pais, Manuel da Maia,
Custódio Vieira (autor da arcaria sobre o vale de Alcântara) e Carlos Mardel
(húngaro). Manuel da Maia e Carlos Mardel haveriam de ter, após o terramoto de
1755, um papel crucial na reconstrução da Baixa Pombalina.
exif / informação técnica
Maquina: Hewlett-Packard �
Modelo: HP Photosmart E327 �
Exposição: 1/899 sec
Abertura: f 3.5
ISO: 50
MeteringMode: Center Weighted Average
Flash: No Flash
Dist.Focal: 7.7 mm

Setembro 2006

Lisboa
favorita de 13
galardões
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular
O Aqueduto das Águas Livres...
Aqueduto das Águas Livres, em Lisboa, Portugal,
considerado como o local mais bonito da cidade no virar do século, ergue-se
sobre o vale de Alcântara, A construção de um aqueduto para levar água à cidade
deu, a D. João V, a oportunidade para satisfazer a sua paixão pelas construções
grandiosas, uma vez que a única área de Lisboa que tinha água era Alfama. O
projecto foi pago com o produto de uma taxa sobre a carne, o vinho, o azeite e
outros comestíveis.

Apesar de só ter sido terminado no século XIX, em 1748 já fornecia água à
cidade. A conduta principal mede 19 km, embora o comprimento total, incluindo os
canais secundários, seja de 58 km. A sua parte mais conhecida são os 35 arcos
sobre o vale, o mais alto dos quais mede 65 metros de altura.


O caminho público por cima do aqueduto, esteve fechado desde 1853, em parte
devido aos crimes praticados por Diogo Alves, um criminoso que lançava as suas
vítimas do alto dos arcos e que foi o último decapitado da História Portuguesa.
Hoje é possível dar um passeio guiado por cima dos mesmos. Também é possível,
ocasionalmente, visitar o reservatório da Mãe d\'Água.

Na extremidade do aqueduto, a Mãe d\'Água das Amoreiras é uma espécie de castelo
que outrora serviu como reservatório. O desenho original, de 1745, foi do
arquitecto húngaro Carlos Mardel. Completado em 1834, tornou-se num popular
local de encontro para os monarcas e as suas amantes. Hoje o espaço é utilizado
para exposições de arte, desfiles de moda e outros eventos.

Na primeira fase da sua construção, até à chegada a Lisboa em 1748, contou com a
participação de famosos arquitectos e engenheiros militares, nomeadamente
António Canevari (italiano), Azevedo Fortes, Silva Pais, Manuel da Maia,
Custódio Vieira (autor da arcaria sobre o vale de Alcântara) e Carlos Mardel
(húngaro). Manuel da Maia e Carlos Mardel haveriam de ter, após o terramoto de
1755, um papel crucial na reconstrução da Baixa Pombalina.
comentários
galardões
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular

Maquina: Hewlett-Packard �
Modelo: HP Photosmart E327 �
Exposição: 1/899 sec
Abertura: f 3.5
ISO: 50
MeteringMode: Center Weighted Average
Flash: No Flash
Dist.Focal: 7.7 mm

Setembro 2006

Lisboa

favorita de (13)