foto user
Luis Filipe Correia
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/Salinas de Rio Maior
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/Salinas de Rio Maior
voltar lista nav-leftnav-right

Salinas de Rio Maior

fotografias > 

História

2017-07-20 16:24:58
Ver no mapa
comentários (33) galardões descrição exif favorita de (55)
descrição
As Salinas Naturais de Rio Maior, estão situadas no sopé da Serra dos Candeeiros, a três quilómetros de Rio Maior, em Portugal.

São compartimentos – talhos - feitos de cimento ou de pedra, de tamanho variado e pouco fundos, para onde, por regueiras, é conduzida a água salgada que se tira de um poço.

Presentemente, a água é elevada por meio de um motor e distribuída segundo um sistema conjuntamente aceite e respeitado (nem sempre) por todos os proprietários. Os esgoteiros, as eiras e as casas de madeira para armazenagem do sal, completam o conjunto do que é denominado Marinhas de Sal de Rio Maior.

Uma mina de sal-gema, muito extensa e profunda, segundo os técnicos, atravessada por uma corrente subterrânea que alimenta um poço, faz com que a água dele extraída seja salgada, sete vezes mais salgada que a do mar. Da sua exposição ao sol e ao vento e consequente evaporação da água obtêm-se o sal, depositado no fundo dos talhos e que depois é colocado em montes, em forma de pirâmides, para secar até ser recolhido.

O processo é rudimentar e semelhante ao usado nas salinas da beira-mar. Só há diferença no vale pitoresco que as rodeia, no poço, no estilo próprio dos marinheiros (como são conhecidos os homens que trabalham nas salinas), nas casas de madeira e no ar campestre que se respira.

As salinas de Rio Maior têm oito séculos de História. Foi em 1177 que Pêro D’Aragão e sua mulher Sancha Soares, venderam aos Templários “a quinta parte que tinham do poço e Salinas de Rio Maior, cujo poço partia pelo Este com Albergaria do Rei; pelo Oeste com D. Pardo e com a Ordem do Hospital; pelo Norte com Marinhas da mesma Ordem; e pelo Sul com Marinhas do dito D. Pardo”. Assim diz Pinho Leal, citando o escrito comprovativo dessa venda. Este documento, que é o mais antigo que se conhece referente a Rio Maior encontra-se arquivado na Torre do Tombo em Lisboa.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/250 sec
Exposição (EV+/-): 0.7 step
Abertura: f/10
ISO: 400
Dist.Focal: 58mm
Dist.Focal (35mm): 87 mm
Software: Adobe Photoshop Elements 5.0 Windows

favorita de 55
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Salinas de Rio Maior
As Salinas Naturais de Rio Maior, estão situadas no sopé da Serra dos Candeeiros, a três quilómetros de Rio Maior, em Portugal.

São compartimentos – talhos - feitos de cimento ou de pedra, de tamanho variado e pouco fundos, para onde, por regueiras, é conduzida a água salgada que se tira de um poço.

Presentemente, a água é elevada por meio de um motor e distribuída segundo um sistema conjuntamente aceite e respeitado (nem sempre) por todos os proprietários. Os esgoteiros, as eiras e as casas de madeira para armazenagem do sal, completam o conjunto do que é denominado Marinhas de Sal de Rio Maior.

Uma mina de sal-gema, muito extensa e profunda, segundo os técnicos, atravessada por uma corrente subterrânea que alimenta um poço, faz com que a água dele extraída seja salgada, sete vezes mais salgada que a do mar. Da sua exposição ao sol e ao vento e consequente evaporação da água obtêm-se o sal, depositado no fundo dos talhos e que depois é colocado em montes, em forma de pirâmides, para secar até ser recolhido.

O processo é rudimentar e semelhante ao usado nas salinas da beira-mar. Só há diferença no vale pitoresco que as rodeia, no poço, no estilo próprio dos marinheiros (como são conhecidos os homens que trabalham nas salinas), nas casas de madeira e no ar campestre que se respira.

As salinas de Rio Maior têm oito séculos de História. Foi em 1177 que Pêro D’Aragão e sua mulher Sancha Soares, venderam aos Templários “a quinta parte que tinham do poço e Salinas de Rio Maior, cujo poço partia pelo Este com Albergaria do Rei; pelo Oeste com D. Pardo e com a Ordem do Hospital; pelo Norte com Marinhas da mesma Ordem; e pelo Sul com Marinhas do dito D. Pardo”. Assim diz Pinho Leal, citando o escrito comprovativo dessa venda. Este documento, que é o mais antigo que se conhece referente a Rio Maior encontra-se arquivado na Torre do Tombo em Lisboa.
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/250 sec
Exposição (EV+/-): 0.7 step
Abertura: f/10
ISO: 400
Dist.Focal: 58mm
Dist.Focal (35mm): 87 mm
Software: Adobe Photoshop Elements 5.0 Windows