foto user
Maria Vitorino
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/Aqueduto da Amoreira (ler sff)
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/Aqueduto da Amoreira (ler sff)
voltar lista nav-leftnav-right

Aqueduto da Amoreira (ler sff)

fotografias > 

História

2017-05-06 23:43:16
Ver no mapa
comentários (109) galardões descrição exif favorita de (144)
descrição
O Aqueduto da Amoreira, no Alentejo, localiza-se na freguesia de São Brás e São Lourenço, concelho de Elvas, distrito de Portalegre, em Portugal.
Liga o local da Amoreira à cidade de Elvas. Com 8,5 quilómetros de extensão, 843 arcos com mais de cinco arcadas e torres que se elevam a 31 metros de altura, é considerado o maior aqueduto da península Ibérica.

História

Desde a época da ocupação árabe a povoação de Elvas era abastecida pelo poço de Alcalá, situado perto do antigo Paço Episcopal. No entanto, a partir do século XV, devido ao aumento da população, o poço tornou-se insuficiente para abastecer de água a cidade.

No início do reinado de Manuel I de Portugal, este autorizou o lançamento de um imposto, o "Real de Água", para serem executadas obras de conservação no poço medieval. Estas obras não resolveram os problemas de abastecimento existentes, pelo que a edilidade local pensou em construir um aqueduto que trouxesse a água desde os arrabaldes, no local da Amoreira, até ao centro da cidade.

As obras iniciaram-se em 1537 no reinado de João III de Portugal. Em 1547 as obras foram suspensas devido à falta de verbas.

Foram retomadas no início do século XVII e cerca de 1610 concluiu-se que era necessário alterar o projeto do aqueduto, dando-lhe mais altura, para que fosse possível levar a água até ao Largo da Misericórdia. Esta decisão atrasou ainda mais a conclusão dos trabalhos, devido não só às dificuldades práticas relacionadas com o trabalho de engenharia como também pelo aumento dos custos do projeto.

Finalmente, em 1620 correram pelo aqueduto as primeiras águas dentro dos muros da cidade, que iam então desembocar numa fonte provisória construída junto à antiga Igreja da Madalena.

Durante a Guerra da Restauração a defesa de Elvas, cidade fronteiriça da maior importância estratégica, tornou-se um imperativo, e a localização do aqueduto transformou-se num obstáculo à construção de um novo conjunto de fortificações, pelo que os engenheiros militares puseram a hipótese de derrubar o aqueduto, possibilidade avalizada por João IV de Portugal.

A povoação de Elvas opôs-se a esta medida, e o conde de São Lourenço, governador da Praça-forte de Elvas, conseguiu através de uma petição à Coroa que o monarca desistisse da demolição.

Para contornar as dificuldades do abastecimento da cidade durante a guerra foi edificada uma cisterna, desenhada pelo engenheiro Nicolau de Langres, e edificada na década de 1650, segundo um modelo "abobadado e à prova de bomba", que foi ligada ao aqueduto através de um cano subterrâneo.

Este aqueduto encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 1910 e integra o sítio denominado Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as suas Fortificações, classificado pela UNESCO como Património Mundial desde 2012.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Aqueduto_da_Amoreira
exif / informação técnica
Máquina: samsung
Modelo: SM-G935F
Exposição: 1/4200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/1.7
ISO: 40
Dist.Focal: 4.2mm
Dist.Focal (35mm): 26 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.3 (Windows)

favorita de 144
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
Aqueduto da Amoreira (ler sff)
O Aqueduto da Amoreira, no Alentejo, localiza-se na freguesia de São Brás e São Lourenço, concelho de Elvas, distrito de Portalegre, em Portugal.
Liga o local da Amoreira à cidade de Elvas. Com 8,5 quilómetros de extensão, 843 arcos com mais de cinco arcadas e torres que se elevam a 31 metros de altura, é considerado o maior aqueduto da península Ibérica.

História

Desde a época da ocupação árabe a povoação de Elvas era abastecida pelo poço de Alcalá, situado perto do antigo Paço Episcopal. No entanto, a partir do século XV, devido ao aumento da população, o poço tornou-se insuficiente para abastecer de água a cidade.

No início do reinado de Manuel I de Portugal, este autorizou o lançamento de um imposto, o "Real de Água", para serem executadas obras de conservação no poço medieval. Estas obras não resolveram os problemas de abastecimento existentes, pelo que a edilidade local pensou em construir um aqueduto que trouxesse a água desde os arrabaldes, no local da Amoreira, até ao centro da cidade.

As obras iniciaram-se em 1537 no reinado de João III de Portugal. Em 1547 as obras foram suspensas devido à falta de verbas.

Foram retomadas no início do século XVII e cerca de 1610 concluiu-se que era necessário alterar o projeto do aqueduto, dando-lhe mais altura, para que fosse possível levar a água até ao Largo da Misericórdia. Esta decisão atrasou ainda mais a conclusão dos trabalhos, devido não só às dificuldades práticas relacionadas com o trabalho de engenharia como também pelo aumento dos custos do projeto.

Finalmente, em 1620 correram pelo aqueduto as primeiras águas dentro dos muros da cidade, que iam então desembocar numa fonte provisória construída junto à antiga Igreja da Madalena.

Durante a Guerra da Restauração a defesa de Elvas, cidade fronteiriça da maior importância estratégica, tornou-se um imperativo, e a localização do aqueduto transformou-se num obstáculo à construção de um novo conjunto de fortificações, pelo que os engenheiros militares puseram a hipótese de derrubar o aqueduto, possibilidade avalizada por João IV de Portugal.

A povoação de Elvas opôs-se a esta medida, e o conde de São Lourenço, governador da Praça-forte de Elvas, conseguiu através de uma petição à Coroa que o monarca desistisse da demolição.

Para contornar as dificuldades do abastecimento da cidade durante a guerra foi edificada uma cisterna, desenhada pelo engenheiro Nicolau de Langres, e edificada na década de 1650, segundo um modelo "abobadado e à prova de bomba", que foi ligada ao aqueduto através de um cano subterrâneo.

Este aqueduto encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 1910 e integra o sítio denominado Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e as suas Fortificações, classificado pela UNESCO como Património Mundial desde 2012.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Aqueduto_da_Amoreira
Tag’s: H-aqueduto,Amoreira,Elvas,Alentejo,Monumento,Nacional
comentários
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: samsung
Modelo: SM-G935F
Exposição: 1/4200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/1.7
ISO: 40
Dist.Focal: 4.2mm
Dist.Focal (35mm): 26 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.3 (Windows)


favorita de (144)