foto user
Luis Filipe Correia
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Gentes e Locais/Coruche, Nossa Senhora do Castelo
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Gentes e Locais/Coruche, Nossa Senhora do Castelo
voltar lista nav-leftnav-right

Coruche, Nossa Senhora do Castelo

fotografias > 

Gentes e Locais

2016-03-03 18:10:34
Ver no mapa
comentários (51) galardões descrição exif favorita de (68)
descrição
No monte sobranceiro à vila de Coruche ergue-se uma ermida da invocação de Nossa Senhora do Castelo no local onde, outrora, se levantava um castelo que foi cenário de frequentes escaramuças entre muçulmanos e cristãos, aquando da Reconquista.

Do miradouro avista-se um deslumbrante panorama sobre a várzea, numa planície a perder de vista, onde os campos do Sorraia se desdobram em tons de verde e oiro até à linha do horizonte. A ermida, segundo a tradição, foi fundada por D. Afonso Henriques, conservando-se nela um retrato deste rei. Sofreu, ao longo dos anos, várias restaurações, apresentando-se hoje, airosa e atraente, com o seu pequeno templo e torre debruados a azul-ferrete, próprio da região.

Diz a lenda que, alguns anos após a reedificação do santuário dedicado a Nossa Senhora do Castelo, a povoação de Benavente, sentindo-se em perigo perante o avanço de alguma algara moura, enviou a Coruche uma comissão a pedir a imagem da Senhora do Castelo, pois acreditavam que assim seriam protegidos e defendidos. Perante o perigo, os coruchenses acederam. Passado o ataque, em que os inimigos foram desbaratados por completo, nada de devolver a imagem ao seu pequeno santuário. Os coruchenses reclamaram. Nada. O senado da Câmara enviou um representante ao senado de Benavente. Voltam sem ter conseguido o que pretendiam. Mas, ao regressar, quando já se aproximavam da linha divisória dos dois concelhos, algo se lhes depara: a imagem de Nossa Senhora do Castelo ali estava, mesmo sobre a linha divisória, mas voltada para Coruche. Era para ali que queria ir.

No adro, em frente da porta da entrada virada para sul, na calçada, está escrito em letras de pedra negra: «Concluída em XXV (aqui quase ilegível) de Julho de MDCCCLVI com os generosos donativos dos habitantes desta villa – Directores J.A.B. e F.M.C.O.» A capela é muito comprida e pouco larga, de uma só nave, com púlpito em pedra e arco do cruzeiro em mármore rosa. Ocupando uma parede, o altar-mor, todo de talha dourada, ladeado das figuras de São José e São Pedro tem, acima do sacrário, a imagem de Nossa Senhora com o Menino de pé, sobre um trono simples. O teto da capela, em abóbada, está ornamentado com várias pinturas religiosas, destacando-se a da capela-mor que representa a «Coroação de Nossa Senhora» a flutuar rodeada de anjos. Pendente do teto da nave pode ver-se um antigo lustre de cristal.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/1000 sec
Exposição (EV+/-): -0.7 step
Abertura: f/8
ISO: 200
Dist.Focal: 26mm
Dist.Focal (35mm): 39 mm
Software: ViewNX 2.0 W

favorita de 68
galardões
Esta foto não tem galardões
Coruche, Nossa Senhora do Castelo
No monte sobranceiro à vila de Coruche ergue-se uma ermida da invocação de Nossa Senhora do Castelo no local onde, outrora, se levantava um castelo que foi cenário de frequentes escaramuças entre muçulmanos e cristãos, aquando da Reconquista.

Do miradouro avista-se um deslumbrante panorama sobre a várzea, numa planície a perder de vista, onde os campos do Sorraia se desdobram em tons de verde e oiro até à linha do horizonte. A ermida, segundo a tradição, foi fundada por D. Afonso Henriques, conservando-se nela um retrato deste rei. Sofreu, ao longo dos anos, várias restaurações, apresentando-se hoje, airosa e atraente, com o seu pequeno templo e torre debruados a azul-ferrete, próprio da região.

Diz a lenda que, alguns anos após a reedificação do santuário dedicado a Nossa Senhora do Castelo, a povoação de Benavente, sentindo-se em perigo perante o avanço de alguma algara moura, enviou a Coruche uma comissão a pedir a imagem da Senhora do Castelo, pois acreditavam que assim seriam protegidos e defendidos. Perante o perigo, os coruchenses acederam. Passado o ataque, em que os inimigos foram desbaratados por completo, nada de devolver a imagem ao seu pequeno santuário. Os coruchenses reclamaram. Nada. O senado da Câmara enviou um representante ao senado de Benavente. Voltam sem ter conseguido o que pretendiam. Mas, ao regressar, quando já se aproximavam da linha divisória dos dois concelhos, algo se lhes depara: a imagem de Nossa Senhora do Castelo ali estava, mesmo sobre a linha divisória, mas voltada para Coruche. Era para ali que queria ir.

No adro, em frente da porta da entrada virada para sul, na calçada, está escrito em letras de pedra negra: «Concluída em XXV (aqui quase ilegível) de Julho de MDCCCLVI com os generosos donativos dos habitantes desta villa – Directores J.A.B. e F.M.C.O.» A capela é muito comprida e pouco larga, de uma só nave, com púlpito em pedra e arco do cruzeiro em mármore rosa. Ocupando uma parede, o altar-mor, todo de talha dourada, ladeado das figuras de São José e São Pedro tem, acima do sacrário, a imagem de Nossa Senhora com o Menino de pé, sobre um trono simples. O teto da capela, em abóbada, está ornamentado com várias pinturas religiosas, destacando-se a da capela-mor que representa a «Coroação de Nossa Senhora» a flutuar rodeada de anjos. Pendente do teto da nave pode ver-se um antigo lustre de cristal.
Tag’s: Coruche,Nossa Senhora do Castelo,Portugal
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/1000 sec
Exposição (EV+/-): -0.7 step
Abertura: f/8
ISO: 200
Dist.Focal: 26mm
Dist.Focal (35mm): 39 mm
Software: ViewNX 2.0 W