foto user
Violeta Teixeira
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Fotojornalismo/DEGRADAÇÃO NO CENTRO HISTÓRICO
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Fotojornalismo/DEGRADAÇÃO NO CENTRO HISTÓRICO
voltar lista nav-leftnav-right

DEGRADAÇÃO NO CENTRO HISTÓRICO

fotografias > 

Fotojornalismo

2015-02-22 17:44:58
Ver no mapa
comentários (22) galardões descrição exif favorita de (49)
descrição
«Centro Histórico e Cidade
A noção de Centro Histórico é, apesar de legítima, artificiosa, dado que "toda a cidade é histórica". As cidades são sistemas urbanos, com estruturas de vasos comunicantes: o que se pensa, projecta e constrói para uma parte da cidade tem sempre influência nas outras partes, como uma mecânica de fluidos.
Por isso, diga-se em boa verdade, a actual desertificação e degradação do centro histórico decorre directamente das opções políticas e técnicas para a cidade após 1965, com especial incidência após os anos 80: em 1960, a cidade tinha 7500 habitantes, com cerca de 5000 no centro histórico; actualmente, a cidade tem 43 000 habitantes com menos de 800 no centro histórico. Ou seja, só é possível equacionar o Centro Histórico no contexto geral da cidade de Leiria e do seu território.
Neste quadro, comum a muitas outras cidades portuguesas, importa considerar como principais desafios gerais:
a) A ligação entre o centro e as periferias, num quadro de reconstrução da paisagem urbana;
b) O combate à crescente dispersão da cidade, muito desarticulada e fragmentada (densidade 1085 hab/km2; média nacional das cidades portuguesas 2 230 hab/km2), entregando maior rigidez do perímetro urbano;
c) A importância relativa das infra-estruturas, dos vazios urbanos, dos equipamentos e dos "edifícios de carga" como elementos estruturadores dessa ligação e rearticulação;
d) A gestão do parque habitacional (21 500 alojamentos para 15 821 famílias) e a difícil regulação da mobilidade dos habitantes (como trazer habitantes para o centro histórico?);
e) A constatação de que a maioria dos habitantes da cidade é migrante de 1ª ou 2ª geração, ou seja, não está enraizada na história e memória colectivas da cidade, o que implica equacionar uma política firme de proximidade dos cidadãos
(…)»
exif / informação técnica
Máquina: LEICA
Modelo: C-LUX 1
Exposição: 1/200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5.6
ISO: 80
Dist.Focal: 16.8mm
Dist.Focal (35mm): 102 mm
Software: Adobe Photoshop Elements 4.0 Windows

favorita de 49
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Violeta Teixeira

Violeta Teixeira

olhares.com/violetateixeira
Funchal / Lisboa / Leiria,Portugal
DEGRADAÇÃO NO CENTRO HISTÓRICO
«Centro Histórico e Cidade
A noção de Centro Histórico é, apesar de legítima, artificiosa, dado que "toda a cidade é histórica". As cidades são sistemas urbanos, com estruturas de vasos comunicantes: o que se pensa, projecta e constrói para uma parte da cidade tem sempre influência nas outras partes, como uma mecânica de fluidos.
Por isso, diga-se em boa verdade, a actual desertificação e degradação do centro histórico decorre directamente das opções políticas e técnicas para a cidade após 1965, com especial incidência após os anos 80: em 1960, a cidade tinha 7500 habitantes, com cerca de 5000 no centro histórico; actualmente, a cidade tem 43 000 habitantes com menos de 800 no centro histórico. Ou seja, só é possível equacionar o Centro Histórico no contexto geral da cidade de Leiria e do seu território.
Neste quadro, comum a muitas outras cidades portuguesas, importa considerar como principais desafios gerais:
a) A ligação entre o centro e as periferias, num quadro de reconstrução da paisagem urbana;
b) O combate à crescente dispersão da cidade, muito desarticulada e fragmentada (densidade 1085 hab/km2; média nacional das cidades portuguesas 2 230 hab/km2), entregando maior rigidez do perímetro urbano;
c) A importância relativa das infra-estruturas, dos vazios urbanos, dos equipamentos e dos "edifícios de carga" como elementos estruturadores dessa ligação e rearticulação;
d) A gestão do parque habitacional (21 500 alojamentos para 15 821 famílias) e a difícil regulação da mobilidade dos habitantes (como trazer habitantes para o centro histórico?);
e) A constatação de que a maioria dos habitantes da cidade é migrante de 1ª ou 2ª geração, ou seja, não está enraizada na história e memória colectivas da cidade, o que implica equacionar uma política firme de proximidade dos cidadãos
(…)»
Tag’s: Muro,casas,degradadas,chaminé antiga
comentários
foto autor

Violeta Teixeira

olhares.com/violetateixeira
Funchal / Lisboa / Leiria,Portugal
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Violeta Teixeira

Violeta Teixeira

olhares.com/violetateixeira
Funchal / Lisboa / Leiria,Portugal
Máquina: LEICA
Modelo: C-LUX 1
Exposição: 1/200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/5.6
ISO: 80
Dist.Focal: 16.8mm
Dist.Focal (35mm): 102 mm
Software: Adobe Photoshop Elements 4.0 Windows


Violeta Teixeira

Violeta Teixeira

olhares.com/violetateixeira
Funchal / Lisboa / Leiria,Portugal
favorita de (49)