foto user
jorge pimenta
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Urbana/Half way to heaven
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Urbana/Half way to heaven
voltar lista nav-leftnav-right

Half way to heaven

fotografias > 

Paisagem Urbana

2019-11-10 10:54:10
comentários (87) galardões descrição exif favorita de (119)
descrição
Quantas vezes a morte nos escorreu já pelos dedos? Fica imóvel, imperturbável, a olhar para as mãos como se em cada linha adormecesse o tempo. As mãos pressentem tudo, até a leveza do lume que risca o fósforo em contagem decrescente e já nem o guarda-chuva vermelho evita os estilhaços do corpo onde uma qualquer veia rebenta a cada instante.
Quantas vezes a morte nos escorreu já pelos dedos? Tem cara feia, mau hálito e não toma banho. Falta-lhe ser Homem, aguçar o sexo, gastar a saliva na boca da primavera e em cada um dos seus segredos... é quase um poeta, a morte, um semi-homem, uma ave nómada à procura da rota e de si mesma. E enquanto não chega, a loucura é a única certeza dos amantes e o amor a derradeira mentira dos poetas.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/6.3
ISO: 6400
Dist.Focal: 15mm
Dist.Focal (35mm): 15 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)

favorita de 119
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador
  • galardão curador
    curador
Half way to heaven
Quantas vezes a morte nos escorreu já pelos dedos? Fica imóvel, imperturbável, a olhar para as mãos como se em cada linha adormecesse o tempo. As mãos pressentem tudo, até a leveza do lume que risca o fósforo em contagem decrescente e já nem o guarda-chuva vermelho evita os estilhaços do corpo onde uma qualquer veia rebenta a cada instante.
Quantas vezes a morte nos escorreu já pelos dedos? Tem cara feia, mau hálito e não toma banho. Falta-lhe ser Homem, aguçar o sexo, gastar a saliva na boca da primavera e em cada um dos seus segredos... é quase um poeta, a morte, um semi-homem, uma ave nómada à procura da rota e de si mesma. E enquanto não chega, a loucura é a única certeza dos amantes e o amor a derradeira mentira dos poetas.
Tag’s: umbrella,luz/sombra,cor,túnel
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/6.3
ISO: 6400
Dist.Focal: 15mm
Dist.Focal (35mm): 15 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)


favorita de (119)