foto user
Antonio Ramos
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Natural/História do Rio Douro - I      (Leia o texto p.f.)
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Natural/História do Rio Douro - I      (Leia o texto p.f.)
voltar lista nav-leftnav-right

História do Rio Douro - I (Leia o texto p.f.)

fotografias > 

Paisagem Natural

2019-03-07 11:31:48
Ver no mapa
comentários (91) galardões descrição exif favorita de (97)
descrição
História do Rio Douro
O nome latinizado Durius, pode ter vindo das tribos celtas que habitavam a região antes dos tempos romanos, sendo Dubro a raiz celta para este nome. Nos tempos romanos, o rio foi personificado como um Deus, Durius.
O nome Douro Vinhateiro, refere-se a uma área do Vale do Douro, em Portugal, que foi classificada pela UNESCO como Património Mundial. Tradicionalmente, o Vinho do Porto era levado rio abaixo em barcos de fundo plano chamados rabelos, para ser armazenado em barris nas caves em Vila Nova de Gaia, na margem sul do rio, em frente à zona da Ribeira do Porto.
No entanto, nas décadas de 50 e 60 do século XX, à medida que foram construídas barragens construídas ao longo do rio, tanto em Espanha como em Portugal, terminou este tráfego fluvial, sendo agora o Vinho do Porto transportado em camiões-tanque .
O rio Douro é o terceiro maior da Península Ibérica, depois do Tejo e do Ebro. O seu comprimento total é de 897 km, sendo que apenas as águas de Portugal são navegáveis.
Do lado de Espanha, o Douro atravessa a grande meseta castelhana e serpenteia através de cinco províncias da Comunidade Autónoma de Castela e Leão: Soria , Burgos, Valladolid , Zamora e Salamanca, passando pelas cidades de Soria, Almazán , Aranda de Duero , Tordesilhas, e Zamora.
Nesta região, há poucos afluentes do Douro, sendo os mais importantes o Pisuerga, que passa por Valladolid, e o Esla, que passa através de Zamora. Esta região é, na sua generalidade, uma zona de planícies semi- áridas, plantadas com trigo. No entanto, à semelhança do que acontece em grande parte da sua extensão portuguesa, também em Espanha existem algumas zonas plantadas com vinhas, como é o caso de Aranda de Duero. A criação de ovelhas é também um factor económico a ter em conta na região espanhola.
Ao longo de 112 quilómetro, o rio Douro constitui parte da linha de fronteira nacional entre Espanha e Portugal, numa região de gargantas estreitas que acabou por se tornar numa barreira histórica para invasões e que constitui um factor de divisão cultural e linguística. Nestas áreas isoladas da fronteira, existem duas áreas protegidas distintas:
Após a confluência com o rio Águeda, o rio Douro entra totalmente em território português, sendo que, a partir daí e até à foz, são raros os grandes centros populacionais junto ao rio. À excepção das grandes cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia, que ficam junto à foz, apenas se consideram dignas de nota as populações da Foz do Tua, do Pinhão e do Peso da Régua.
Em Portugal, os afluentes mais importantes do rio Douro são o Côa, o Tua, o Sabor, o Corgo, o Távora, o Paiva, o Tâmega, o Sousa e o Febros. Todos eles são pequenos rios, de águas rápidas e não navegáveis.
Em Portugal, o rio Douro atravessa os distritos de Bragança, Guarda, Viseu, Vila Real, Aveiro e Porto. A cidade do Porto é a principal cidade na zona norte de Portugal, sendo o seu centro histórico reconhecido como Património da Humanidade pela UNESCO.
O Vale do Douro possui um microclima muito peculiar, que permite o cultivo de azeitonas, amêndoas e uvas, sendo daqui que são colhidas as uvas que dão origem ao famoso Vinho do Porto.
A região em torno de Pinhão e São João da Pesqueira é considerada como o centro do Vinho do Porto, sendo nestas regiões que podemos encontrar as diversas quintas, que se estendem das encostas quase verticais ao longo dos vales do rio Douro e dos seus afluentes. Muitas destas quintas são de propriedade de empresas de vinhos multinacionais.
Mais recentemente, tem vindo a desenvolver-se uma indústria turística próspera com base em excursões fluviais do Porto para pontos ao longo do Alto Vale do Douro, sendo os mais comuns o da Régua e o do Pinhão.
As cinco barragens do Douro Português apenas têm como objectivo tornar uniforme o fluxo de água, a geração de energia hidroeléctrica, e permitir a navegação. Os navios que navegam o Douro Têm um comprimento máximo de 83 metros e uma largura máxima de 11,4 metros, podendo passar por cinco bloqueios. O bloqueio mais alto é o da barragem do Carrapatelo, que tem uma elevação máxima de 35 metros.

exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/10
ISO: 100
Dist.Focal: 18mm
Dist.Focal (35mm): 27 mm
Software: Ver.1.01

favorita de 97
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
História do Rio Douro - I (Leia o texto p.f.)
História do Rio Douro
O nome latinizado Durius, pode ter vindo das tribos celtas que habitavam a região antes dos tempos romanos, sendo Dubro a raiz celta para este nome. Nos tempos romanos, o rio foi personificado como um Deus, Durius.
O nome Douro Vinhateiro, refere-se a uma área do Vale do Douro, em Portugal, que foi classificada pela UNESCO como Património Mundial. Tradicionalmente, o Vinho do Porto era levado rio abaixo em barcos de fundo plano chamados rabelos, para ser armazenado em barris nas caves em Vila Nova de Gaia, na margem sul do rio, em frente à zona da Ribeira do Porto.
No entanto, nas décadas de 50 e 60 do século XX, à medida que foram construídas barragens construídas ao longo do rio, tanto em Espanha como em Portugal, terminou este tráfego fluvial, sendo agora o Vinho do Porto transportado em camiões-tanque .
O rio Douro é o terceiro maior da Península Ibérica, depois do Tejo e do Ebro. O seu comprimento total é de 897 km, sendo que apenas as águas de Portugal são navegáveis.
Do lado de Espanha, o Douro atravessa a grande meseta castelhana e serpenteia através de cinco províncias da Comunidade Autónoma de Castela e Leão: Soria , Burgos, Valladolid , Zamora e Salamanca, passando pelas cidades de Soria, Almazán , Aranda de Duero , Tordesilhas, e Zamora.
Nesta região, há poucos afluentes do Douro, sendo os mais importantes o Pisuerga, que passa por Valladolid, e o Esla, que passa através de Zamora. Esta região é, na sua generalidade, uma zona de planícies semi- áridas, plantadas com trigo. No entanto, à semelhança do que acontece em grande parte da sua extensão portuguesa, também em Espanha existem algumas zonas plantadas com vinhas, como é o caso de Aranda de Duero. A criação de ovelhas é também um factor económico a ter em conta na região espanhola.
Ao longo de 112 quilómetro, o rio Douro constitui parte da linha de fronteira nacional entre Espanha e Portugal, numa região de gargantas estreitas que acabou por se tornar numa barreira histórica para invasões e que constitui um factor de divisão cultural e linguística. Nestas áreas isoladas da fronteira, existem duas áreas protegidas distintas:
Após a confluência com o rio Águeda, o rio Douro entra totalmente em território português, sendo que, a partir daí e até à foz, são raros os grandes centros populacionais junto ao rio. À excepção das grandes cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia, que ficam junto à foz, apenas se consideram dignas de nota as populações da Foz do Tua, do Pinhão e do Peso da Régua.
Em Portugal, os afluentes mais importantes do rio Douro são o Côa, o Tua, o Sabor, o Corgo, o Távora, o Paiva, o Tâmega, o Sousa e o Febros. Todos eles são pequenos rios, de águas rápidas e não navegáveis.
Em Portugal, o rio Douro atravessa os distritos de Bragança, Guarda, Viseu, Vila Real, Aveiro e Porto. A cidade do Porto é a principal cidade na zona norte de Portugal, sendo o seu centro histórico reconhecido como Património da Humanidade pela UNESCO.
O Vale do Douro possui um microclima muito peculiar, que permite o cultivo de azeitonas, amêndoas e uvas, sendo daqui que são colhidas as uvas que dão origem ao famoso Vinho do Porto.
A região em torno de Pinhão e São João da Pesqueira é considerada como o centro do Vinho do Porto, sendo nestas regiões que podemos encontrar as diversas quintas, que se estendem das encostas quase verticais ao longo dos vales do rio Douro e dos seus afluentes. Muitas destas quintas são de propriedade de empresas de vinhos multinacionais.
Mais recentemente, tem vindo a desenvolver-se uma indústria turística próspera com base em excursões fluviais do Porto para pontos ao longo do Alto Vale do Douro, sendo os mais comuns o da Régua e o do Pinhão.
As cinco barragens do Douro Português apenas têm como objectivo tornar uniforme o fluxo de água, a geração de energia hidroeléctrica, e permitir a navegação. Os navios que navegam o Douro Têm um comprimento máximo de 83 metros e uma largura máxima de 11,4 metros, podendo passar por cinco bloqueios. O bloqueio mais alto é o da barragem do Carrapatelo, que tem uma elevação máxima de 35 metros.

Tag’s: Rio Douro,Régua,V.N.Gaia,Porto
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D3100
Exposição: 1/200 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/10
ISO: 100
Dist.Focal: 18mm
Dist.Focal (35mm): 27 mm
Software: Ver.1.01


favorita de (97)