foto user
Mario Filipe
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Urbana/Luz de Lisboa "Enquanto o largo mar a Ocidente se
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Urbana/Luz de Lisboa "Enquanto o largo mar a Ocidente se
voltar lista nav-leftnav-right

Luz de Lisboa "Enquanto o largo mar a Ocidente se

fotografias > 

Paisagem Urbana

2018-04-12 23:25:41
Ver no mapa
comentários (69) galardões descrição exif favorita de (82)
descrição
Lisboa

Sophia de Mello Breyner Andresen (1977), in Obra Poética, 2011


Quando atravesso – vinda do sul – o rio
E a cidade a que chego abre-se como se do seu nome nascesse
Abre-se e ergue-se em sua extensão noturna
Em seu longo luzir de azul e rio
Em seu corpo amontoado de colinas –
Vejo-a melhor porque a digo
Tudo se mostra melhor porque digo
Tudo mostra melhor o seu estar e a sua carência
Porque digo
Lisboa com seu nome de ser e de não-ser
Com seus meandros de espanto insónia e lata
E seu secreto rebrilhar de coisa de teatro
Seu conivente sorrir de intriga e máscara
Enquanto o largo mar a Ocidente se dilata
Lisboa oscilando como uma grande barca
Lisboa cruelmente construida ao longo da sua própria ausência
Digo o nome da cidade
– Digo para ver

Sophia de Mello Breyner Andresen (1977), in Obra Poética, 2011
exif / informação técnica
Máquina: Canon
Modelo: Canon EOS 30D
Exposição: 1/125 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/4.5
ISO: 100
Dist.Focal: 22mm
Dist.Focal (35mm): 36mm
Software: Adobe Photoshop CC 2015 (Windows)

favorita de 82
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Luz de Lisboa "Enquanto o largo mar a Ocidente se
Lisboa

Sophia de Mello Breyner Andresen (1977), in Obra Poética, 2011


Quando atravesso – vinda do sul – o rio
E a cidade a que chego abre-se como se do seu nome nascesse
Abre-se e ergue-se em sua extensão noturna
Em seu longo luzir de azul e rio
Em seu corpo amontoado de colinas –
Vejo-a melhor porque a digo
Tudo se mostra melhor porque digo
Tudo mostra melhor o seu estar e a sua carência
Porque digo
Lisboa com seu nome de ser e de não-ser
Com seus meandros de espanto insónia e lata
E seu secreto rebrilhar de coisa de teatro
Seu conivente sorrir de intriga e máscara
Enquanto o largo mar a Ocidente se dilata
Lisboa oscilando como uma grande barca
Lisboa cruelmente construida ao longo da sua própria ausência
Digo o nome da cidade
– Digo para ver

Sophia de Mello Breyner Andresen (1977), in Obra Poética, 2011
Tag’s: #parquedasnaçoes,#lisboa,#b&W,#p&b,#riotejo,#paisagemurbana
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: Canon
Modelo: Canon EOS 30D
Exposição: 1/125 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/4.5
ISO: 100
Dist.Focal: 22mm
Dist.Focal (35mm): 36mm
Software: Adobe Photoshop CC 2015 (Windows)


favorita de (82)