foto user
Dolores Marques
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/Negras as vistas para os lugares de ontem
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/Negras as vistas para os lugares de ontem
voltar lista nav-leftnav-right

Negras as vistas para os lugares de ontem

fotografias > 

História

2018-10-15 22:04:31
comentários (33) galardões descrição exif favorita de (42)
descrição
Resgate

Corre-se atrás de um tempo informe, que nem mesmo a dor tem lugar nesse caos.
Doravante serão destituídos os momentos, que, por incumbência do destino ardam já no lugar onde se arrumam os sentimentos vazios.

(Que negras são as vistas para os lugares de ontem)
- Que fome resistirá aos tempos vindouros?
- Que fundas são as meninas dos olhos a coabitarem um tempo incólume.
- Que nomes têm as duas porções do pensamento, quando se juntam em “orgias” intelectuais, porém pecaminosas no seu pensar ardiloso?
- Que caminhos seguirão quando sucumbirem perante a arte do seu saber existir?
- Quais os espaços, e que tempos sobreviverão à catástrofe do seu pensar existir?
Corre-se…corre-se e escorre-se o pensamento.
Vive-se…vive-se e permitem-se no tempo, vultos que violam a própria luz.
Sonha-se…sonha-se e voa-se sobre as águas tais vampiros agonizantes, com sedes e fomes cavernais.
E o sangue é quente.
E a morte é fria.
E os deuses são ausentes.
E os caminhos cortados
E os olhos fechados.
Mas, as bocas abertas à chegada das estrelas.
Dormem agora todos juntos, prenhes da noite.
Os andrajos desajeitados, todos de enfiada por terra afora.
E matam fomes de outrora.
Saciam sedes de um tempo escorrido nos augueiros.
Declinam o seu próprio tempo.
Afogam-se nos seus próprios pensamentos.
E alugam-se uns aos outros.
Copiam-se nos trajectos da lua.
Mastigam sóis nos lençóis.
E rezam à desdita má sorte, por mais tempo.
Choram lágrimas tecidas na pele, derramadas agora na pureza dos seus actos.
E o corpo é só um corpo.
E os olhos são só uns olhos.
E a boca sã nos suspiros e gritos, colhe adversidades, vociferando maldades.
E os cabelos são só uns galhos secos nas árvores, onde dependurados os pensamentos, se ajeitam para voos nocturnos.
A edificação de uma vida cuja validade já fora de moda, arrasta tempos atrás de tempos, na divisão dos seus mundos internos.
À despedida, saberão como sentir o que pensam….e tudo voltará a ser a essência, na decadência dos lugares ocupados por Deuses.
À despedida saberão dos Deuses que são, ou não, mediante o pensar da sua própria razão de existirem.
E as ceifas continuam no resgate dos caminhos perdidos.

ÔNIX/dm
exif / informação técnica
Máquina: FUJIFILM
Modelo: FinePix S6500fd
Exposição: 1/85 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.8
ISO: 800
Dist.Focal: 6.2mm
Dist.Focal (35mm):
Software: PhotoScape

favorita de 42
galardões
Esta foto não tem galardões
Negras as vistas para os lugares de ontem
Resgate

Corre-se atrás de um tempo informe, que nem mesmo a dor tem lugar nesse caos.
Doravante serão destituídos os momentos, que, por incumbência do destino ardam já no lugar onde se arrumam os sentimentos vazios.

(Que negras são as vistas para os lugares de ontem)
- Que fome resistirá aos tempos vindouros?
- Que fundas são as meninas dos olhos a coabitarem um tempo incólume.
- Que nomes têm as duas porções do pensamento, quando se juntam em “orgias” intelectuais, porém pecaminosas no seu pensar ardiloso?
- Que caminhos seguirão quando sucumbirem perante a arte do seu saber existir?
- Quais os espaços, e que tempos sobreviverão à catástrofe do seu pensar existir?
Corre-se…corre-se e escorre-se o pensamento.
Vive-se…vive-se e permitem-se no tempo, vultos que violam a própria luz.
Sonha-se…sonha-se e voa-se sobre as águas tais vampiros agonizantes, com sedes e fomes cavernais.
E o sangue é quente.
E a morte é fria.
E os deuses são ausentes.
E os caminhos cortados
E os olhos fechados.
Mas, as bocas abertas à chegada das estrelas.
Dormem agora todos juntos, prenhes da noite.
Os andrajos desajeitados, todos de enfiada por terra afora.
E matam fomes de outrora.
Saciam sedes de um tempo escorrido nos augueiros.
Declinam o seu próprio tempo.
Afogam-se nos seus próprios pensamentos.
E alugam-se uns aos outros.
Copiam-se nos trajectos da lua.
Mastigam sóis nos lençóis.
E rezam à desdita má sorte, por mais tempo.
Choram lágrimas tecidas na pele, derramadas agora na pureza dos seus actos.
E o corpo é só um corpo.
E os olhos são só uns olhos.
E a boca sã nos suspiros e gritos, colhe adversidades, vociferando maldades.
E os cabelos são só uns galhos secos nas árvores, onde dependurados os pensamentos, se ajeitam para voos nocturnos.
A edificação de uma vida cuja validade já fora de moda, arrasta tempos atrás de tempos, na divisão dos seus mundos internos.
À despedida, saberão como sentir o que pensam….e tudo voltará a ser a essência, na decadência dos lugares ocupados por Deuses.
À despedida saberão dos Deuses que são, ou não, mediante o pensar da sua própria razão de existirem.
E as ceifas continuam no resgate dos caminhos perdidos.

ÔNIX/dm
Tag’s: Negras as vistas para os lugares de ontem,Aljube,cadeia politica
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Máquina: FUJIFILM
Modelo: FinePix S6500fd
Exposição: 1/85 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.8
ISO: 800
Dist.Focal: 6.2mm
Dist.Focal (35mm):
Software: PhotoScape


favorita de (42)