foto user
Maria Vitorino
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Natural/Os Deuses devem estar loucos ...(ler)
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Natural/Os Deuses devem estar loucos ...(ler)
voltar lista nav-leftnav-right

Os Deuses devem estar loucos ...(ler)

fotografias > 

Paisagem Natural

2016-02-15 16:08:38
comentários (40) galardões descrição exif favorita de (74)
descrição
Os Deuses devem estar loucos ...

É como traduzo esta semana de intenso temporal, chuva e vento, na minha pacata aldeia.

O mesmo teria sentido Eugénio de Castro quando escreveu? ...

O Dilúvio

Há muitos dias já, há já bem longas noites
que o estalar dos vulcões e o atroar das torrentes
ribombam com furor, quais rábidos açoites,
ao cerebro rutilar dos coriscos ardentes.

Blasfémias, maldições elevam-se à porfia;
fustigado plo raio, aumenta o furacão;
cada ruga do mar acusa uma agonia,
cada bolha, ao estalar, solta uma imprecação.

Cresce no mar, sobe o mar... e traga, rudemente.
da mais alta montanha o píncaro nevado.
e um tremendo trovão aplaude a vaga arlente,
que envolve, ao despenhar-se, o último condenado.

Cresce o mar, sobe o mar... Cada vaga é uma torre!
No céu, o próprio Deus melancólico pasma...
E, pelos vagalhões acastelados, corre
a Arca de Noé, qual navio-fantasma...

Eugénio de Castro, in 'Saudades do Céu'

exif / informação técnica
Máquina: samsung
Modelo: SM-G900F
Exposição: 1/220 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.2
ISO: 40
Dist.Focal: 4.8mm
Dist.Focal (35mm): 31 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.3 (Windows)

favorita de 74
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Os Deuses devem estar loucos ...(ler)
Os Deuses devem estar loucos ...

É como traduzo esta semana de intenso temporal, chuva e vento, na minha pacata aldeia.

O mesmo teria sentido Eugénio de Castro quando escreveu? ...

O Dilúvio

Há muitos dias já, há já bem longas noites
que o estalar dos vulcões e o atroar das torrentes
ribombam com furor, quais rábidos açoites,
ao cerebro rutilar dos coriscos ardentes.

Blasfémias, maldições elevam-se à porfia;
fustigado plo raio, aumenta o furacão;
cada ruga do mar acusa uma agonia,
cada bolha, ao estalar, solta uma imprecação.

Cresce no mar, sobe o mar... e traga, rudemente.
da mais alta montanha o píncaro nevado.
e um tremendo trovão aplaude a vaga arlente,
que envolve, ao despenhar-se, o último condenado.

Cresce o mar, sobe o mar... Cada vaga é uma torre!
No céu, o próprio Deus melancólico pasma...
E, pelos vagalhões acastelados, corre
a Arca de Noé, qual navio-fantasma...

Eugénio de Castro, in 'Saudades do Céu'

Tag’s: PN- temporal. deuses. Eugénio de Castro.Saudades do Céu'
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: samsung
Modelo: SM-G900F
Exposição: 1/220 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.2
ISO: 40
Dist.Focal: 4.8mm
Dist.Focal (35mm): 31 mm
Software: Adobe Photoshop Lightroom 5.3 (Windows)


favorita de (74)