foto user
joãozero
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Gentes e Locais/Preciso de ti, senão...preciso de ti, senão...
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Gentes e Locais/Preciso de ti, senão...preciso de ti, senão...
voltar lista nav-leftnav-right

Preciso de ti, senão...preciso de ti, senão...

fotografias > 

Gentes e Locais

2012-01-10 17:52:55
comentários (56) galardões descrição exif favorita de (28)
descrição
Preciso de ti, senão
Só poderias desaparecer
Então
Não me permites sequer correr
Atrás de um cinquentão
Para fazer esquecer
Este maldito cotão
Que teima em permanecer
No meu belo colchão
E seu ruidoso gemer
A lembrar um estômago em digestão

Ando contigo na mão
E só me resta saber
Se já sou um arrastão
Pois começo a temer
Esta ânsia de te transformar em bastão
Para desatar a bater
Naquele maldito capitão
Que ficou de me ver
Logo após o primeiro apertão
Mas claro que prometer
Fazia parte da sua profissão

Ele fugiu e eu fiquei de betão
Do longo sofrer
E da difícil congestão
Com o rápido arrefecer
Deste lindo coração
Que começou a querer
Transformar-se em cartão
E o cérebro a antever
Uma grande combustão
Que punha tudo a arder
E a acabar num caixotão


Poema da minha autoria para relembrar
que fugir não sinónimo de melhorar!

Momento na cidade do Porto.
exif / informação técnica
Sem informações de EXIF
favorita de 28
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular
Preciso de ti, senão...preciso de ti, senão...
Preciso de ti, senão
Só poderias desaparecer
Então
Não me permites sequer correr
Atrás de um cinquentão
Para fazer esquecer
Este maldito cotão
Que teima em permanecer
No meu belo colchão
E seu ruidoso gemer
A lembrar um estômago em digestão

Ando contigo na mão
E só me resta saber
Se já sou um arrastão
Pois começo a temer
Esta ânsia de te transformar em bastão
Para desatar a bater
Naquele maldito capitão
Que ficou de me ver
Logo após o primeiro apertão
Mas claro que prometer
Fazia parte da sua profissão

Ele fugiu e eu fiquei de betão
Do longo sofrer
E da difícil congestão
Com o rápido arrefecer
Deste lindo coração
Que começou a querer
Transformar-se em cartão
E o cérebro a antever
Uma grande combustão
Que punha tudo a arder
E a acabar num caixotão


Poema da minha autoria para relembrar
que fugir não sinónimo de melhorar!

Momento na cidade do Porto.
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão visitas
    1000
    visitas
  • galardão popular
    foto
    popular

Sem informações de EXIF

favorita de (28)