foto user
Agatão
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Gentes e Locais/Só, como os Veleiros nos Portos Silenciosos
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Gentes e Locais/Só, como os Veleiros nos Portos Silenciosos
voltar lista nav-leftnav-right

Só, como os Veleiros nos Portos Silenciosos

fotografias > 

Gentes e Locais

2017-02-10 22:57:11
comentários (31) galardões descrição exif favorita de (88)
descrição
Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes

Terreiro do Paço, Lisboa, 5 de fevereiro de 2017
exif / informação técnica
Máquina: NIKON
Modelo: COOLPIX L31
Exposição: 1/100 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/8
ISO: 80
Dist.Focal: 4.6mm
Dist.Focal (35mm): 26 mm
Software: COOLPIX L31 V1.0

favorita de 88
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Só, como os Veleiros nos Portos Silenciosos
Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes

Terreiro do Paço, Lisboa, 5 de fevereiro de 2017
Tag’s: Vinícius de Moraes,Terreiro do Paço,Só, como os Veleiros nos Portos Silenciosos,Ausência,Lisboa
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: NIKON
Modelo: COOLPIX L31
Exposição: 1/100 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/8
ISO: 80
Dist.Focal: 4.6mm
Dist.Focal (35mm): 26 mm
Software: COOLPIX L31 V1.0


favorita de (88)