foto user
Gaspar
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
História/TORRE DO ESPORÃO! ( LER)
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
História/TORRE DO ESPORÃO! ( LER)
voltar lista nav-leftnav-right

TORRE DO ESPORÃO! ( LER)

fotografias > 

História

2019-04-17 00:22:19
comentários (61) galardões descrição exif favorita de (68)
descrição
REGUENGOS DE MONSARAZ

Considerada “umas das mais antigas propriedades rigorosamente demarcadas do termo ancestral de Monsaraz” (ESPANCA, 1978), a Herdade do Esporão encontrava-se já delimitada em 1267, pertencendo nesta época a Soeiro Rodrigues, juiz de Évora. No entanto, o morgadio do Esporão só seria instituído em 1427 por D. Teresa Anes da Fonseca, casada com Fernão Lopes Lobo.

A sua filha, D. Leonor Ribeiro da Fonseca casou com Álvaro Mendes de Vasconcelos, cavaleiro da casa do Duque de Bragança e regedor da cidade de Évora, que mandou edificar durante o seu morgadio, entre os anos de 1457 e 1490, a Torre do Esporão (GONÇALVES, 1975).

Este edifício é um símbolo emblemático da arquitectura militar alentejana nos últimos anos do gótico. Não tendo qualquer utilidade ao nível de defesa territorial, a sua edificação prendeu-se sobretudo com questões de afirmação social.

Esta era uma atitude comum na sociedade portuguesa de então, em que muitas famílias nobres em ascensão mandavam edificar nos seus senhorios ou nas urbes onde viviam torreões que serviam de residência, ou de local de pernoita, e que tinham como objectivo salientar a pureza da sua linhagem e a sua nova condição social. Terá sido este o caso de Álvaro Mendes de Vasconcelos.

De planimetria quadrangular, a torre divide-se em três registos com fenestrações nos pisos superiores, dispostas de forma simétrica. Na fachada principal da torre foi edificada uma escadaria sobre um arco, para acesso ao segundo piso.

Esta estrutura exterior não corresponde à edificação primitiva, que foi sendo alterada pelos sucessivos proprietários. Além das alterações, também a progressiva degradação do imóvel foi um factor preponderante para as alterações que sofreu no século XX.

Em 1973 a Herdade do Esporão foi comprada pela Finagra, que em 2002 custeou obras de reabilitação do edifício, que alteraram substancialmente as fachadas e sobretudo os espaços interiores da torre.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D7100
Exposição: 1/400 sec
Exposição (EV+/-): 5 step
Abertura: f/5.6
ISO: 100
Dist.Focal: 18mm
Dist.Focal (35mm): 27 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)

favorita de 68
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular
TORRE DO ESPORÃO! ( LER)
REGUENGOS DE MONSARAZ

Considerada “umas das mais antigas propriedades rigorosamente demarcadas do termo ancestral de Monsaraz” (ESPANCA, 1978), a Herdade do Esporão encontrava-se já delimitada em 1267, pertencendo nesta época a Soeiro Rodrigues, juiz de Évora. No entanto, o morgadio do Esporão só seria instituído em 1427 por D. Teresa Anes da Fonseca, casada com Fernão Lopes Lobo.

A sua filha, D. Leonor Ribeiro da Fonseca casou com Álvaro Mendes de Vasconcelos, cavaleiro da casa do Duque de Bragança e regedor da cidade de Évora, que mandou edificar durante o seu morgadio, entre os anos de 1457 e 1490, a Torre do Esporão (GONÇALVES, 1975).

Este edifício é um símbolo emblemático da arquitectura militar alentejana nos últimos anos do gótico. Não tendo qualquer utilidade ao nível de defesa territorial, a sua edificação prendeu-se sobretudo com questões de afirmação social.

Esta era uma atitude comum na sociedade portuguesa de então, em que muitas famílias nobres em ascensão mandavam edificar nos seus senhorios ou nas urbes onde viviam torreões que serviam de residência, ou de local de pernoita, e que tinham como objectivo salientar a pureza da sua linhagem e a sua nova condição social. Terá sido este o caso de Álvaro Mendes de Vasconcelos.

De planimetria quadrangular, a torre divide-se em três registos com fenestrações nos pisos superiores, dispostas de forma simétrica. Na fachada principal da torre foi edificada uma escadaria sobre um arco, para acesso ao segundo piso.

Esta estrutura exterior não corresponde à edificação primitiva, que foi sendo alterada pelos sucessivos proprietários. Além das alterações, também a progressiva degradação do imóvel foi um factor preponderante para as alterações que sofreu no século XX.

Em 1973 a Herdade do Esporão foi comprada pela Finagra, que em 2002 custeou obras de reabilitação do edifício, que alteraram substancialmente as fachadas e sobretudo os espaços interiores da torre.
Tag’s: LUZ,TORRE,MURO,ARVORES,IGREJA
comentários
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D7100
Exposição: 1/400 sec
Exposição (EV+/-): 5 step
Abertura: f/5.6
ISO: 100
Dist.Focal: 18mm
Dist.Focal (35mm): 27 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)


favorita de (68)